Cachorros com ansiedade de separação

A ansiedade de separação é uma sensação excessiva de mal-estar que os nossos xodós sentem quando são separados das pessoas a quem são mais apegados.

por Olivier Soulier — publicado 25 jan 2017 - 20:46

Camila, proprietária do buldogue francês “Max” de cinco meses de idade, relata eventos gerando um desconforto enorme em razão dos comportamentos do mesmo ocorrendo somente quando deixado só.

Comportamentos na realidade próprios à maioria dos animais de estimação, animais convivendo em ambientes pobres em estímulos, com poucas interações com outros animais da mesma espécie e de qualquer espécie compatível, muito querido por tutores “corujas” ao extremo aceitando qualquer travessura e adulando o bichinho, com excesso de atenção e preocupações da parte da família. Camila declara:

 

Meu cachorro é muito manso, afável e tranquilo com a gente e com as nossas visitas.
Nunca avançou em ninguém, nem incomoda quando recebemos as pessoas, na rua não sai correndo, na verdade fica sempre pertinho de mim.
Onde for é um grude, fofo e alegre, dorme até com agente, só acorda para fazer o seu pipi no banheirinho dele.
Eu, o meu esposo e os nossos filhos o adoramos ele mudou as nossas vidas só veio acrescentar alegrias à nossa família, uma benção de deus!
Mas quando temos de sair e deixa-lo só…
Ele se transforma em outro cachorro, mais para “Diabo da Tasmânia”, seguinte os vizinhos não chore, passa horas “gritando”, uivando com rouquidão, latindo, quebrando e derrubando objetos. Quando chegamos é um cenário de guerra, tudo remexido, várias destruições, móveis e objetos roídos e espalhados, excrementos e urinas espalhados e o Max todo babado…

 

Foto: Reprodução.

Na verdade o “Max” é um excelente filhote sim, muito amável e carinhoso!

Mas, como desde novinho quando entrou na sua nova família adotiva, depois de ter sido afastado da mãe e dos irmãos, sempre ficou muito próximo da sua proprietária, todas as suas atividades divididas com a família e centradas ao redor dela, ele criou novas referências de dependência à mesma.

As influencias possíveis sobre o comportamento do Max são várias com consequências oscilando de graves a desastrosas como fixações limitativas, atrasos de maturação, autoconfiança baixa e insegurança crônica, estresses por ansiedade de separação quando deixado só e podem desencadear comportamentos de destruições, vocalizações excessivas, medos frequentes , comportamentos compulsivos obsessivos, agressividade defensiva e até problemas fisiológicos decorrentes.

A ansiedade de separação é uma sensação excessiva de mal-estar que os nossos xodós sentem quando são separados das pessoas a quem são mais apegados, normalmente os membros da sua família de adoção, ou alguns deles.

Ela pode provocar problemas comportamentais na ausência dos proprietários e até na presencia, quando o animal fica quase que constantemente angustiado, com pouquíssimos momentos de relaxamento e descanso.

A ansiedade atinge um nível tão alto que se torna crônica e o animal demostra preocupações e nervosismo mesmo do lado do(a) seu(ua) “deus(a) humano(a)” por antecipação da sua próxima saída.

A ansiedade de separação é parte importante dos problemas relacionados ao afastamento dos seres de referências, que podem ter diferentes origens como medo, pânico, apego excessivo aos donos e falta de estímulos, atividades ou interações adequadas.

Os cães são animais sociais, vivendo em matilha na natureza e com fortes ligações com os outros membros da mesma.
Esse modelo original se estende também as interações com os humanos constituindo a sua família adotiva e com isso a separação, mesmo que temporária, de figura(s) de apego pode gerar algum tipo de mal-estar.

Qualquer raça pode desenvolver ansiedade de separação, ela aparece em cães de raça definida ou mestiça com a mesma frequência, independentemente do sexo e mais da metade dos casos aparecem antes dos três anos de idade.
Existem casos de ansiedade relativa à idade nos cães idosos que se manifestam ainda mais frequentemente durante os períodos de separação.

 

O comportamentalista canino Olivier Soulier, um francês abrasileirado com mais de 30 anos de experiência e muita bagagem, abre para o público a realidade sobre condicionamento, com esclarecimentos que podem representar uma luz no fim do túnel para muitos tutores e seus cachorros.

Há 24 anos no mercado cearense, Olivier e sua equipa da EAOS oferecem adestramento, treinamentos especiais, hotel e creche para cães. Mais informações em www.eaos.com.br

Como ensinar o cão o que é não

por Camila Da Silva — publicado 16 jun 2019 - 9:45

Como ensinar o cão o que é não, muitas vezes pode ser um processo altamente complexo. No entanto, se fizer do jeito certo, os resultados acabam surgindo e você consegue ter um cachorro obediente e que sabe entender aos seus comandos. Para isso, é importante seguir alguns critérios que vamos explicar no decorrer do texto. Por isso, acompanhe até o final.
Como ensinar o cão o que é não

Se você está tentando entender como ensinar o cão o que é não,

 » Read more about: Como ensinar o cão o que é não  »

Demência em Cães: Atente-se Aos Sinais

por Camila Da Silva — publicado 16 jun 2019 - 9:45

A demência em cães, infelizmente, é algo que pode acontecer. Assim como em seres humanos, esta é uma doença triste que atinge aos poucos um cão de mais idade. Desta forma, é importante que você fique atento aos sinais que o cachorro pode apresentar. E, assim, tentar proporcionar mais qualidade de vida a ele. Acompanhe.
Demência em cães: Atente-se aos sinais

Quando o cachorro vai ficando mais velhinho, uma das características que podem aparecer no dia a dia dele,

 » Read more about: Demência em Cães: Atente-se Aos Sinais  »

Cachorro comeu chocolate: o que fazer?

por Camila Da Silva — publicado 15 jun 2019 - 9:45

Todo mundo sabe que chocolate faz mal para cachorro. Esta é uma guloseima feita para seres humanos que, se ingeridas pelos nossos cães, problemas sérios de saúde podem ocorrer. Entretanto, é importante entender que se o cachorro comeu chocolate, algumas medidas instantâneas podem ser tomadas por você para que o pior não aconteça. Acompanhe.
Cachorro comeu chocolate: o que fazer?

Se o cachorro comeu chocolate, certamente é um indicativo de que ele irá passar mal nas próximas horas ou minutos.

 » Read more about: Cachorro comeu chocolate: o que fazer?  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Como ensinar o cão o que é não

por Camila Da Silva — publicado 16 jun 2019 - 9:45

Como ensinar o cão o que é não, muitas vezes pode ser um processo altamente complexo. No entanto, se fizer do jeito certo, os resultados acabam surgindo e você consegue ter um cachorro obediente e que sabe entender aos seus comandos. Para isso, é importante seguir alguns critérios que vamos explicar no decorrer do texto. Por isso, acompanhe até o final.

Como ensinar o cão o que é não

Se você está tentando entender como ensinar o cão o que é não, está no lugar certo. Com alguns critérios importantes a serem levados em consideração, vamos abordar este tema de forma objetiva e prática. Afinal, tudo que não queremos, é que nosso cão seja desobediente e mal educado, não é mesmo?

Assim sendo, existem formas de você ter um cão acostumado e que entenda quem é o dono de quem. Entretanto, é extremamente importante você entender que ele é um animal. E que sua paciência será testada. Por isso, não desanime, siga firme e acompanhe o texto.

Como ensinar o cão o que é não

Ensiná-lo enquanto filhote é a melhor solução

Podem existir dezenas de técnicas de adestramento de cães que surtem resultados. Mas a forma mais prática de fazer o seu cão entender o que você quer dele, é aproveitar a fase em que ele ainda é filhote. Nesta fase, ele está aprendendo tudo e o cérebro dele ainda está condicionando o estilo de vida que ele vai ter.

Neste caso, o que você precisa fazer, é tratar a situação como uma oportunidade de ensinar o que é não. Pois depois que ele for mais velho, algumas manias e atitudes serão extremamente difíceis de remover. Portanto, promover práticas saudáveis de conduta desde que ele é filhote é uma das formas mais assertivas.

Entretanto, se o seu cão for mais velho, os ensinamentos também serão válidos. No entanto, poderá levar mais tempo para a total compreensão. E você precisa entender isso para que não gere estresse nem situações desagradáveis para você e para o seu cão.

Como ensinar o cão o que é não

Use recompensas durante os ensinamentos

Esta é uma das técnicas mais assertivas para condicionar o cão a entender o que ele pode e o que ele não pode. Dar recompensas como biscoitos caninos, passeios ou carinhos é uma forma inteligente de promover a cultura do entendimento no cérebro do cachorro.

Assim sendo, toda vez que o seu cão fizer o que você quer depois de um treinamento intensivo, entregue uma recompensa para ele. Ele verá isto como uma forma de agradecimento e entenderá que, toda vez que ele reproduzir aquilo, ganhará um biscoito. No caso de fazer o cachorro entender o que é “não”, toda vez que ele sentir-se com medo e recuar depois de você dizer, é hora da recompensa.

O tom de voz precisa ser imponente e curto

Cães são movidos a sentimentos. Sejam eles positivos ou negativos. E quando você brigar com ele de forma enfática, com um “não” bem curto e grosso, ele entenderá aquilo como algo sério. Portanto, quando você dizer “não” ao cão, seja firme e diga apenas o “não”. Descarte outras expressões ou dizeres, pois poderá confundi-lo.

Outro ponto muito importante, é nunca usar o nome do cão associado ao “não”. Pois ele poderá entender que o “não” que você disser, pode fazer parte do nome dele. E isso é extremamente negativo para a formação da conduta do cachorro. Portanto, use o “não” de forma imponente e curta.

É importante entender que o cão precisa entender o que ele pode e o que ele não pode. E esta é uma forma de deixá-lo envergonhado do que eles fez ou vai fazer. E, depois que o “não” for aceito e você notar a obediência, entregue a recompensa.

Como ensinar o cão o que é não

Dê tempo ao tempo

Pode ser que o seu cão demore a entender o que você tem a dizer. Por isso, dê tempo ao tempo. Isto facilitará e muito o processo, pois você não se desgastará e nem deixará o cachorro estressado. Como falamos, eles são animais. E precisam de um tempo para assimilar a conduta que devem ter. Esta é a forma de como ensinar o cão o que é não.

Assim sendo, siga este processo até que o seu cachorro passe a obedecer a sua ordem de comando e torne-se educado. Leve o tempo que for, é desta forma que você proporcionará qualidade de vida para o cachorro de forma pacífica.

Demência em Cães: Atente-se Aos Sinais

por Camila Da Silva — publicado 16 jun 2019 - 9:45

A demência em cães, infelizmente, é algo que pode acontecer. Assim como em seres humanos, esta é uma doença triste que atinge aos poucos um cão de mais idade. Desta forma, é importante que você fique atento aos sinais que o cachorro pode apresentar. E, assim, tentar proporcionar mais qualidade de vida a ele. Acompanhe.

Demência em cães: Atente-se aos sinais

Quando o cachorro vai ficando mais velhinho, uma das características que podem aparecer no dia a dia dele, é a demência. Infelizmente, esta é uma doença que pode afetar os cachorros das mais variadas raças, sem muitos pré-requisitos aparentes.

Desta forma, é importante que você esteja pronto para entregar muito amor e paciência para eles. Pois esta é a única maneira de proporcionar um pouco mais de qualidade de vida para eles. Visto que eles não fazem ideia do que está acontecendo.

Para alguns pesquisadores, a demência em cães começa a surgir quando eles completam 11 a 12 anos. Sendo 28% de casos nesta faixa etária. Já na faixa etária dos 15 aos 16 anos, o problema aumenta para 68%. Como são índices bem elevados, ou seja, a chance de acontecer é grande, resta você ficar atento aos sinais. Acompanhe para entender.

Demência em Cães

O principal sinal é o esquecimento

Se o seu cão começar a apresentar sinais de esquecimento de situações e lugares, tudo indica que ele está dando os primeiros sinais de demência. Infelizmente, o cérebro dos cães poderá parar de corresponder determinadas situações e eles podem praticar atividades que despertem dúvidas com relação a demência ou não.

Um dos sinais mais claros é o esquecimento. Se você notar que o seu cão está passando por dificuldades de lembrar de determinados lugares, atente-se. Um bom exemplo, é quando eles entram em algum lugar aleatoriamente sem saber o motivo. E depois, ficam por lá por conta de ter esquecido onde fica a saída.

É muito comum isto acontecer e nem prestarmos atenção. Muitas vezes achamos que o cão está apenas passeando. E pode até ser, pois não é uma regra exata. Mas é de suma importância que você tenha conhecimento da possibilidade do problema, para prestar atenção de forma mais focada, tentando enxergar os sinais que eles dão.

Assim sendo, você poderá analisar a situação e interpretar como demência caso o cão comece a fazer as necessidades em qualquer lugar. Isto faz parte do esquecimento. Ou seja, ele já não lembra mais onde é o banheiro dele. Este é um dos fatores mais claros de uma possível demência em cães, visto que se eles são treinados, não fariam as necessidades em um lugar proibido.

Demência em Cães

Quando o cão já não reconhece mais os familiares

Você consegue perceber como os sintomas são muito semelhantes ao problema que ocorre nos seres humanos? Isto acontece pois o cérebro começa a não corresponder mais da forma correta. E um outro sinal claro da demência em cães, é justamente o esquecimento dos familiares.

Assim como o esquecimento de locais e situações, quando o cão passa a não reconhecer mais os familiares o estágio do problema já pode estar muito avançado. Preste atenção ao chamar o seu cachorro. Se ele não reconhecer sua voz ou não der a atenção que dava antes quando chamado pelo nome, ele pode estar sofrendo.

É muito triste imaginar que o cão que antes era completamente enérgico ao chamado do dono, passa a ignorar simplesmente sem saber o motivo. Desta forma, além do chamado, ele poderá até mesmo não reconhecer mais a sua presença física no ambiente.

Isto acontece quando ele fica olhando para o horizonte ou para paredes enquanto você interage com ele. Uma lentidão na resposta dele também pode ser notada. Neste caso, você precisa procurar ajuda o mais rápido possível. Pelo menos, para tentar proporcionar um pouco mais de qualidade de vida para o bicho e entender como lidar com a situação.

Demência em Cães

O sono é um sinal clássico

Quando o cachorro já não está mais propenso a entregar respostas e interação ao dono de forma ativa, ele coloca-se a dormir muito mais tempo do que o normal. E isto acontece de forma automática, sem nem mesmo ele perceber. Pois o cérebro está tão desligado, que o sono é constante.

Ou seja, se você perceber que o seu cão está dormindo muito mais do que o normal, pode ser um sinal forte de que ele está passando por demência. Entretanto, outros problemas também podem estar ligados a este sintoma. E de qualquer forma, você precisa dar a atenção devida para que nada de pior aconteça.

Se o seu cachorro antes era completamente ativo e com o passar dos anos ele passou a dormir mais, de forma aleatória e em locais aleatórios, é importante que você procure tratamento.

A euforia no geral desaparece

Uma das coisas mais comuns em cães com demência, é demonstrar desinteresse por tudo. Este é um sinal extremamente claro de que algo está errado. E este sintoma não necessariamente ocorre somente em situações de demência. Pode ocorrer em situações diversas e pode despertar a dúvida para diversas outras doenças e problemas.

Se o seu cão era ativo e feliz em sair para passear e aos poucos ele começa a perder este interesse, pode ser que a demência esteja atingindo-o, e ele não entende o que está acontecendo. O mesmo vale para brincadeiras e situações de entretenimento que, antes, eram a felicidade do bicho.

Demência em Cães

Sempre procure ajuda especializada

Você sempre precisará buscar ajuda especializada quando estes sintomas aparecerem. Ter um cão com demência é uma das situações mais desagradáveis que você pode passar com o seu melhor amigo, visto que antes não era assim.

Por isso, procure ficar atento aos sinais mais claros desta situação. Sempre conte com ajuda veterinária para entender o que fazer, como proceder e como oferecer uma melhor qualidade de vida para o cachorro. Assim, é a garantia de que ele sofrerá o menos possível. E por sua vez, entenda como lidar com a situação de forma racional. Afinal, infelizmente é algo que pode acontecer com qualquer cachorro em idade mais avançada.