Dicas para conviver com um cão cego

Um cão com deficiências visuais tem mais limitações que um cão normal. Porém, ele pode ter uma vida tão divertida e saudável quanto qualquer outro se os donos se comprometerem com as adequações necessárias.

por Maluh Bastos — publicado 12 fev 2019 - 8:05

Cuidar do cão é uma atividade levada com carinho e cuidado por muitos donos de pets. Dar atenção, amor e disciplina requer tempo, dedicação e muitas vezes até dinheiro por parte da família. Isso se multiplica quando se trata de cães com necessidades especiais – porém, o amor também vem em dobro! Com a criatividade e empenho, cuidar de um cão cego, por exemplo, pode ser tornar algo tranquilo e prático de se fazer.

alt="cãocego"

Cuidar do seu cãozinho cego pode ser prático. Confira as dicas.

Os motivos para um cão ficar cego podem ser vários. Alguns já podem ter desenvolvido desde jovens como consequência de alguma doença ou vírus (doença do carrapato ou glaucoma) ou com a velhice (assim como os seres humanos, é normal que os cães comecem a perder os sentidos à medida que envelheçam. Algumas das causas é a catarata canina ou a degeneração de retina).

alt="cãocego"

Doenças como a catarata podem afetar a visão do animal. Visite o veterinário em caso de suspeitas da doença.

Seja qual for o motivo, é possível, sim, conviver com um cão cego!

Lembre-se: o sentido mais importante do cão é o olfato!

Muitas pessoas sentem pena dos cães cegos e outras até sentenciam à morte cães com dificuldades visuais. Porém, esquecem de uma observação fundamental: o principal sentido dos cachorros é o olfato. É o primeiro sentido que se desenvolve no cachorro e último que “morre” no animal. Os cheiros são muito mais aguçados para os cães, tanto que algumas raças são especializadas e se tornam farejadores profissionais, ajudando a salvar vidas!

alt="cãocego"

Olfato é o sentido mais importante dos cães

Desta forma, é possível concluir que a visão não é o sentido que irá condenar o cão a uma vida miserável e triste. Ele pode ter uma vida saudável e alegre, independente de enxergar ou não. Por isso, vamos dar algumas dicas para facilitar o dia a dia de quem convive – ou pode estar pensando em conviver – com um cãozinho cego. Vamos a elas:

01) Deixe tudo como está!

Descobriu que seu cão está ficando cego recentemente ou já convive com um? Não mude as coisas de lugar! Mudar a posição de móveis e caminhos pode deixa-lo confuso. O ideal é que ele “decore” os trajetos e caminhe tranquilamente e com segurança pelo ambiente.

alt="caocego"

Não mude as posições dos móveis e dos objetos que o cão utiliza.

Aliás, principalmente: não mude de posição da caminha e dos potes de água e de comida! Mesmo sendo guiado pelo cheiro, geraria uma confusão imensa para um cão que já está acostumado com o local de comer e beber no mesmo lugar.

02) Avise a pessoas que você tem um cão cego

Um cão cego pode – e com razão – se tornar um pouco mais desconfiado com as coisas ao seu redor. Portanto, aproximar-se dele sem cautela e abordá-lo de qualquer maneira, pode causar um susto ou situações desagradáveis para o cãozinho.

alt="caocego"

Novo colete protetor criado por empresa Muffin’s Halo nos EUA (Imagem: Pet Money)

Quando for passear, se possível, coloque um colete ou coleira de aviso “Sou um cãozinho cego” ou algo similar. É um recadinho que adverte, sem ser rude. (O  aviso vale para as visitas da sua casa).

03) Encoraje-o, porém, não tenha pena

É importante encorajar o cão nos momentos em que ele estiver no caminho certo ou quando ele estiver se sentindo seguro para brincar e se divertir. Porém, encorajar é diferente de mimar ou ter pena. Um cão com dificuldades físicas que seja muito paparicado pode se tornar inseguro em demasia e não conseguir se desenvolver apropriadamente.

alt="caocego"

Se tratado de forma muito receosa, o cão cego pode ficar inseguro demais e, portanto, muito imprevisível

Imagine a seguinte situação: você tem pena do seu cão que recentemente ficou cego. Por isso, dá comida na boca dele todos os dias. Porém, um dia você tem uma emergência no trabalho que não pode faltar de jeito nenhum e ninguém pode dar a comida para o seu pet. Você deixa o pote de comida no lugar certo, porém, o cachorro não sabe onde ele fica e, pior! Não quer mais comer sozinho, pois, ele se acostumou a você dando na boca dele.

Mal acostumar um cão por pena é muito ruim. Torna-lo independente é o maior gesto de carinho que você pode fazer por ele.

04) Adeque o ambiente

Não mudar as coisas de lugar é importante, porém, adequar os ambientes é fundamental. Se os seus móveis possuem muitas quinas, pontas ou são extremamente frágeis e de materiais cortantes, evite deixa-los a mostra ou cobra suas quinas com materiais de proteção (as proteções utilizadas para bebês funcionam bem).

alt="caocego"

Grade de proteção para bebês pode ser utilizada para proteger a escada do seu cãozinho cego também

Se o ambiente possuir escadas, considere colocar um portãozinho de segurança (para bebês também). Desta forma, você poderá supervisionar sempre que o seu pet quiser descer ou subir. Além disso, antiderrapantes também são uma boa pedida para ajudar no deslocamento do cão.

05) Curta seu cãozinho!

Divirta-se com ele! Compre brinquedos que façam barulhos e incentive o olfato e audição. Petiscos e sininhos podem ser auxílios nestes momentos e te ajudam a treinar ainda mais seu pet. Desta forma, ele se sente mais um na matilha de forma natural e se adequa tranquilamente à rotina.

alt="caocego"

Um cão cego pode ser divertir como qualquer outro. Curta seu pet!

Como proteger o cachorro do frio

por Camila Da Silva — publicado 25 jun 2019 - 9:45

como proteger o cachorro do frio

Entender como proteger o cachorro do frio é um ato de amor. Assim como nós, humanos, o frio é algo que muitas vezes pode sair do controle. Desta forma, entender como manter o cachorro aquecido, confortável e satisfeito durante o inverno, é de suma importância. Por isso, acompanhe o artigo e aprenda o que você pode fazer para, com equilíbrio, deixá-lo quentinho.
Como proteger o cachorro do frio

Entender como proteger o cachorro do frio é muito importante.

 » Read more about: Como proteger o cachorro do frio  »

Infecção por parvo virose em cães: quais os sintomas e como tratar

por Handreza Hayran — publicado 24 jun 2019 - 9:45

parvo virose

A infecção por parvo virose é uma doença viral altamente contagiosa que afeta cães. O vírus se manifesta de duas formas diferentes.

A forma mais comum é a forma intestinal, caracterizada por vômitos, diarreia, perda de peso e falta de apetite (anorexia). A forma menos comum é a forma cardíaca. Ela ataca os músculos do coração de fetos e filhotes muito jovens, muitas vezes levando à morte.

No entanto, a maioria dos casos é observada em filhotes com seis semanas e seis meses de idade.

 » Read more about: Infecção por parvo virose em cães: quais os sintomas e como tratar  »

Como escolher o nome do cachorro

por Camila Da Silva — publicado 23 jun 2019 - 9:45

como escolher o nome do cachorro

Muita gente fica em dúvida na hora de saber como escolher o nome do cachorro, e, a partir disso, acaba adiando a escolha e o pequeno pet passa da fase de aprender o seu nome. Afinal, a gente sabe que não é nada fácil selecionar uma palavra que combina perfeitamente com o nosso melhor amigo, não é mesmo?

Mas, calma! Existem alguns passos que podem te ajudar neste processo. E nós, do Portal do Dog,

 » Read more about: Como escolher o nome do cachorro  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Como proteger o cachorro do frio

por Camila Da Silva — publicado 25 jun 2019 - 9:45

como proteger o cachorro do frio

Entender como proteger o cachorro do frio é um ato de amor. Assim como nós, humanos, o frio é algo que muitas vezes pode sair do controle. Desta forma, entender como manter o cachorro aquecido, confortável e satisfeito durante o inverno, é de suma importância. Por isso, acompanhe o artigo e aprenda o que você pode fazer para, com equilíbrio, deixá-lo quentinho.

Como proteger o cachorro do frio

Entender como proteger o cachorro do frio é muito importante. Entretanto, é uma linha extremamente tênue entre manter o cão aquecido e deixá-lo desconfortável com uma série de cobertores e roupinhas. Por isso, tudo que você precisa fazer é, acima de tudo, entender este limite.

E é justamente este o objetivo deste texto: fazer com que você entenda como proteger o cachorro do frio de uma forma equilibrada. Assim sendo, uma das primeiras coisas que você precisa ter em mente, é que tudo que você fizer, ele poderá entender como um ato de amor. Afinal, seu cachorro ama você. E isto pode fazer com que muitas vezes ele simplesmente aceite situações de extremidade. Por isso, acompanhe o texto e entenda como proceder.

como proteger o cachorro do frio

O pelo é o maior cobertor

Para entender como proteger o cachorro do frio, antes de qualquer coisa, você precisa ter em mente que o pelo é o maior cobertor do animal. Sim, ele não está lá para enfeite. O pelo do cachorro serve como uma proteção a áreas e situações externas. Da mesma forma que o pelo protege o cachorro do calor, sendo um isolante térmico, ele protege-o do frio. Desta forma, o bem-estar é garantido de forma automática.

No entanto, há dias em que o frio é tão intenso, que o que nós estamos sentindo, automaticamente é transmitido ao cachorro. Ou seja, imaginamos que o nosso frio é o frio deles. Em certos casos, pode até ser. Mas certamente são sensações diferentes. Desta forma, há situações que você pode proporcionar ao cão para que ele se proteja e esteja preparado para o inverno. Continue lendo.

Faça tosas equilibradas e que não prejudiquem o aquecimento

Sabendo que o pelo do cachorro é extremamente importante para ele, é fundamental o entendimento de que a tosa deve ser equilibrada. Uma das formas mais práticas e automáticas de fazer o cachorro não passar frio, é manter os pelos dele no corpo. Este isolante fará com que ele fique quentinho.

Desta forma, para cachorros que precisam da tosa higiênica, é importante fazê-la com prudência. E, se a tosa for apenas estética, é melhor deixar para feze-las apenas no verão. Afinal, você quer que seu animal tenha uma vida de qualidade, não é mesmo?

como proteger o cachorro do frio

Aqueça a caminha

Uma forma prática e ativa de proporcionar mais conforto ao cachorro nos dias de inverno, é aquecer a caminha dele. Isto pode ser feito de diversas formas. Uma delas, é aquecendo os panos no microondas. Ou seja, quando estiver próximo de seu cachorro ir dormir, aqueça um pano para que ele deite em cima. Entretanto, é importante tomar cuidado para que não hajam excessos. Afinal, você não quer queimar nem machucar a pele do seu cão, não é mesmo?

Outra forma prática de aquecer a caminha do cão, é mantendo os cobertores e travesseiros enrolados até a hora de ele ir dormir. Isso fará com que os tecidos não fiquem diretamente expostos ao frio. E, desta forma, mantendo a cama quente para receber o seu animal.

Desde que não incomode, as roupas são bem vindas

Fazer com que o cachorro use roupas pode ser polêmico. É claro que muitas vezes, algumas pessoas acabam exagerando nas quantidades, formatos e tecidos. Afinal, o cachorro foi feito para ser livre e, a partir do momento que você limita os movimentos dele, as chances de ele ser infeliz são grandes.

Desta forma, se você for usar roupas para ajudar a proteger do frio, procure por produtos que não atrapalhem o dia a dia do bicho. Casacos ou mantinhas abertas, sem muita intervenção nos braços ou pescoço são as melhores opções. Isto fará com que o cachorro fique mais quente e não se estresse com acessórios desnecessários.

como proteger o cachorro do frio

Proporcione uma alimentação balanceada

Poucas pessoas pensam neste quesito, mas a alimentação do cachorro é muito importante. Assim como nos humanos, a ingestão de calorias diárias faz com que o corpo desenvolva formas de manter-se aquecido no inverno. É por isso que, quando nos alimentamos mal, as gorduras começam a aparecer. Afinal, esta é a função da gordura no corpo: aquecimento e estoque de energia.

O mesmo ocorre nos cachorros. Quanto mais energia acumulada, mais quente eles ficarão. Portanto, proporcione uma dieta balanceada e que seja completa em calorias para dias de frio. Entretanto, isto não significa exagerar. Pois, se o cão não gastar esta energia com passeios e brincadeiras, certamente ele ficará obeso. O que também é muito ruim.

O banho é importante

Tomar banho em dias frios é ruim, não é mesmo? Mas, é importante. Se o cachorro não tomar banhos regulares, as chances de ele desenvolver alergias, bactérias e cheiro ruim são muito grandes. E isto poderá atrapalhar muito o processo de mantê-lo aquecido, visto que ele ficará incomodado e não se sentirá a vontade para dormir ou ficar debaixo de cobertas.

Desta forma, leve o cachorro para banhos quentes e confortáveis. De preferência, faça em locais especializados e que possam cuidar dos bichos da forma certa. Entretanto, caso você prefira fazer em casa, tome cuidado com a temperatura da água. Deixe-a em uma temperatura agradável, pois muito fria poderá causar mal estar no cão e, muito quente, poderá causar queimaduras. Equilíbrio é tudo.

como proteger o cachorro do frio

Saia para passear em horários estratégicos

Sair para passar com o cão é importante. Entretanto, em dias frios, procure por horários que preservem a integridade física do animal. Este é um dos pontos mais importantes para entender como proteger o cachorro do frio. Afinal, se dentro de casa já é frio, imagine fora.

Por isso, busque horários estratégicos e mais quentes para os passeios. É claro que nem todo mundo poderá sair ao meio-dia, horário em que o sol está mais forte. Mas, tentar buscar um meio termo para resolver este problema é importante. Uma dica é contratar uma pessoa para fazer o trabalho. Assim, você garantirá que o animal faça os passeios necessários.

Brincar fará ele se aquecer

Correr e suar faz o cão ficar aquecido. Por isso, mesmo dentro de casa, brinque muito com o animal. Faça-o gastar energia para que a sua pressão sanguínea ajude a manter o corpo quente. Além de ser benéfico para a integridade do animal, os dias ou noites mais frias passarão despercebidas.

Busque esquentar o ambiente

Uma das coisas que você pode fazer para entender como proteger o cachorro do frio, é esquentar o ambiente. Se a sua casa possuir lareira, por exemplo, é uma ótima forma de manter todos quentinhos. Além da sua família gostar, certamente o cachorro também vai.

Se você não possuir lareira, poderá fazer investimentos em calefação ou aquecedores nos ambientes. Esta é uma das formas mais objetivas de deixar sua casa mais quente.

 

A vacinação em dia é extremamente importante

Manter a caderneta de vacinação do cachorro em dia é fundamental. Parece estranho, mas a verdade é que com as vacinas completas, o cachorro sofrerá muito menos com possíveis doenças contraídas pelo inverno. E, desta forma, passar pela fase mais fria do ano de forma saudável e com as células de defesa bem nutridas.

Carinho e aconchego na medida certa

Para proteger o cachorro do frio, não há muitos segredos. Você pode seguir nossas dicas e proporcionar ambientes muito mais aconchegantes para o seu animal de estimação. Além disso, proporcionar muito carinho e amor aos bichinhos é fundamental. Eles irão, automaticamente, se sentir aquecidos com estas atitudes. E, assim, o inverno passará de forma rápida para eles.

Infecção por parvo virose em cães: quais os sintomas e como tratar

por Handreza Hayran — publicado 24 jun 2019 - 9:45

parvo virose

A infecção por parvo virose é uma doença viral altamente contagiosa que afeta cães. O vírus se manifesta de duas formas diferentes.

A forma mais comum é a forma intestinal, caracterizada por vômitos, diarreia, perda de peso e falta de apetite (anorexia). A forma menos comum é a forma cardíaca. Ela ataca os músculos do coração de fetos e filhotes muito jovens, muitas vezes levando à morte.

No entanto, a maioria dos casos é observada em filhotes com seis semanas e seis meses de idade. Mas incidência de infecções por parvo virose canina foi reduzida radicalmente pela vacinação precoce em filhotes jovens.

Sinais e Sintomas da parvo virose em cachorros

parvo virose

Os principais sintomas associados à forma intestinal de uma infecção parvo virose canino incluem:

  • Diarreia grave e sanguinolenta
  • Letargia
  • Anorexia
  • Febre
  • Vômito
  • Perda de peso grave

A forma intestinal do parvo virose afeta a capacidade do organismo de absorver nutrientes. Assim, um animal afetado se torna rapidamente desidratado e fraco pela falta de absorção de proteínas e líquidos. O tecido úmido da boca e dos olhos pode ficar visivelmente vermelho, e o coração pode bater muito rápido.

Então, quando seu veterinário examina a área abdominal do seu cachorro, ele pode responder devido a dor ou desconforto. Cães que contraíram parvo virose também podem ter uma temperatura corporal baixa, ao invés de febre.

Como é a parvo virose?

cachorro doente

A maioria dos casos de infecções por parvo virose é causada por uma alteração genética do parvovírus canino original: o parvovírus canino tipo 2b. Há uma variedade de fatores de risco que podem aumentar a suscetibilidade de um cão à doença. Mas, principalmente, a parvo virose é transmitida por contato direto com um cachorro infectado, ou indiretamente, pela via fecal-oral.

Concentrações pesadas do vírus são encontradas nas fezes de um cão infectado. Por isso, quando um cachorro saudável fareja as fezes de um cão infectado (ou ânus ), esse cão pode contrair a doença. O vírus também pode ser trazido para o ambiente por meio de sapatos que entraram em contato com as fezes infectadas.

Há evidências de que o vírus pode viver no solo por até um ano. Pois é resistente à maioria dos produtos de limpeza ou mesmo às mudanças climáticas.

Sendo assim, se você precisar limpar uma área contaminada por parvo virose, primeiro recolha e descarte com segurança todo o material orgânico (vômito, fezes, etc.). Em seguida, lave completamente a área com uma solução concentrada de água sanitária, um dos poucos desinfetantes conhecidos para matar o vírus. Se um cão teve parvo virose em uma casa, é melhor não ter um cachorro nessa casa por vários anos.

Além disso, devido à quantidade de cães, canis de reprodução e abrigos para cães que possuem um grande número de filhotes não vacinados são locais particularmente perigosos.

É por isso que o seu veterinário vai querer voltar a vacinar o seu cachorro, mesmo que os registros do criador indiquem que ele foi vacinado. Os abrigos e grupos de resgate muitas vezes colocam filhotes em lares adotivos até que estejam prontos para adoção para minimizar o risco de disseminação de parvovírus.

Por razões desconhecidas, certas raças de cães, como Rottweilers, Pitbulls, Labrador Retriever, Doberman Pinschers, Pastores Alemães, Springer Spaniels ingleses e cães de trenó do Alasca, são particularmente vulneráveis ​​à doença. Assim, seu veterinário pode recomendar um protocolo de vacinação estendida nessas raças.

Diagnóstico de parvo virose em cães

cachorro

Parvo virose é diagnosticado com um exame físico, testes bioquímicos e um teste especial para o parvovírus nas fezes. Uma análise de urina, radiografias abdominais e ultrassonografias abdominais também podem ser realizadas. Níveis baixos de glóbulos brancos e desidratação significativa são indicativos de infecção por parvo virose.

A análise bioquímica e urinária pode revelar enzimas hepáticas elevadas, linfopenia e desequilíbrio eletrolítico. A radiografia abdominal pode mostrar obstrução intestinal. A ultrassonografia abdominal pode revelar linfonodos aumentados na virilha, ou em todo o corpo, e segmentos intestinais cheios de líquido.

Por fim, você precisará dar ao seu veterinário um histórico completo da saúde do seu animal de estimação, histórico de vacinação, atividades recentes e início dos sintomas. É importante refazer os passos do seu cão para a possível exposição e possível contaminação.

A parvo virose é tratável?

parvo virose

Se a doença é uma infecção viral, não há cura real para isso. Assim, o tratamento para parvo virose é focado na cura dos sintomas e na prevenção de infecções bacterianas secundárias, de preferência em ambiente hospitalar. Terapia intensiva e suporte sistêmico são as chaves para a recuperação.

Fluidos intravenosos e terapia nutricional são cruciais para manter o fluido corporal normal de um cão após diarreia grave e desidratação, e os níveis de proteína e eletrólitos serão monitorados e regulados conforme necessário.

Medicamentos para cães que podem ser usados ​​no tratamento incluem medicamentos para conter vômitos (antieméticos), antiácidos, antibióticos prescritos para animais de estimação e antihelmínticos para combater parasitas.

A taxa de sobrevivência em cães é de cerca de 70 por cento quando tratados no hospital. Mas a morte pode, por vezes, resultar de desidratação grave, uma infecção bacteriana secundária grave, toxinas bacterianas no sangue ou uma hemorragia intestinal grave .

O prognóstico é menor para os filhotes, já que eles têm um sistema imunológico menos desenvolvido. É comum que um filhote infectado com parvo virose sofra choque e morte súbita.

É possível tratar a parvo virose em sua casa sob a direção do seu veterinário. É um processo muito trabalhoso. Mas pode significar a diferença entre a vida e a morte quando fundos ou circunstâncias não permitem tratamento intra-hospitalar. Seu veterinário irá ensiná-lo a dar fluidos e monitorar os sinais vitais.

Vivendo e gerenciando

parvo virose

Mesmo depois que seu cachorro se recupere de uma infecção por parvo virose, eles ainda terão um sistema imunológico enfraquecido por algum tempo e estarão suscetíveis a outras doenças. Uma dieta de alta qualidade e fácil digestão é melhor para o seu cão durante a recuperação.

Seu cão também continuará a ser um risco de contágio para outros cães por pelo menos dois meses após a recuperação inicial.

Lave todos os objetos que seu cão usa (por exemplo, pratos, casinha de cachorro, canil, brinquedos para cães).

Recuperação vem com imunidade a longo prazo contra o parvovírus, mas não é garantia de que seu animal de estimação não será infectado com o vírus novamente.

Prevenção da parvo virose em Cães

A melhor prevenção que você pode tomar contra a infecção é seguir o protocolo correto para a vacinação. Assim, filhotes jovens devem ser vacinados a partir das seis semanas de idade, com pelo menos duas vacinas após 10 semanas de idade, e não devem ser socializados com cães desconhecidos até pelo menos duas semanas após a terceira vacinação.

Raças de alto risco podem exigir um período de vacinação inicial mais longo de até 22 semanas. Durante este tempo, o seu cachorro deve apenas socializar em áreas privadas com cães conhecidos.

Evite todas as áreas públicas onde os cães passam tempo, incluindo o parque dos cães, a praia dos cachorros, as lojas de animais e outras áreas designadas por cães.

Sempre pegue as fezes imediatamente. É um bom hábito começar imediatamente, pois reduz a contaminação ambiental e reduz a disseminação de parasitas intestinais.

O vírus parvo é uma doença com sérias consequências. Ação rápida por você e seu veterinário dá ao seu cão o melhor prognóstico para uma recuperação completa.