A Verdadeira História de Hachiko

por Rodrigo Amar — publicado 17 ago 2012 - 21:00

A última foto da Hachiko. Aquele cão que esperou o dono morto na estação por quase 10 anos. Exemplo de lealdade que falta a muitos seres humanos. A foto foi tirada em 8 de março de 1935. Hachiko tinha 11 anos. Filme(Sempre ao seu lado).

A Verdadeira História de Hachiko

Chu-ken Hachiko (o cachorro fiel Hachiko) nasceu em Odate, na província de Akita, no Japão em novembro de 1923. Em 1924, Hachiko foi enviado a casa de seu futuro proprietário, o Dr. Eisaburo Ueno, um professor do Departamento Agrícola da Universidade de Tóquio. A história dá conta de que o professor ansiava por ter um Akita há anos, e que tão logo recebeu seu almejado cãozinho, deu-lhe o de Hachi, ao que depois passou a chamá-lo carinhosamente pelo diminutivo, Hachiko. Foi uma espécie de ‘amor à primeira vista’, pois, desde então, se tornariam amigos inseparáveis!

O professor Ueno morava em Shibuya, subúrbio de Tóquio, perto da estação de trem. Como fazia do trem seu meio de transporte diário até o local de trabalho, já era parte integrante da rotina de Hachiko acompanhar seu dono todas as manhãs. Caminhavam juntos o inteiro percurso que ia de casa à estação de Shibuya. Hachiko parecia ter um relógio interno, e sempre às 15 horas retornava à estação para encontrar o professor, que desembarcava do trem das 16 horas, para acompanhá-lo no percurso de volta a casa.

Em 21 de Maio de 1925, o professor Ueno sofreu um AVC, durante uma reunião do corpo docente na faculdade e morreu. Hachiko, que na época tinha pouco menos de dois anos de idade. No horário previsto, esperava seu dono pacientemente na estação. Naquele dia a espera durou até a madrugada.

Na noite do velório, Hachiko, que estava no jardim, quebrou as portas de vidro da casa e fez o seu caminho para a sala onde o corpo foi colocado, e passou a noite deitado ao lado de seu mestre, recusando-se a ceder. Outro relato diz que como de costume, quando chegou a hora de colocar vários objetos particularmente amados pelo falecido no caixão com o corpo, Hachiko pulou dentro do mesmo e tentou resistir a todas as tentativas de removê-lo.

Depois que o professor morreu a Senhora Ueno deu Hachiko para alguns parentes do que morava em Asakusa, no leste de Tóquio. Mas ele fugiu várias vezes e voltou para a casa em Shibuya, um ano se passou e ele ainda não tinha se acostumado à nova casa. Foi dado ao ex-jardineiro da família que conhecia Hachi desde que ele era um filhote. Mas Hachiko continuava a fugir, aparecendo frequentemente em sua antiga casa. Depois de certo tempo, aparentemente Hachiko se deu conta de que o professor Ueno não morava mais ali.

Todos os dias à estação de Shibuya para esperar seu dono voltar do trabalho, da mesma forma como sempre fazia. Procurava a figura de seu dono entre os passageiros, saindo somente quando as dores da fome o obrigavam. E ele fez isso dia após dia, ano após ano, em meio aos apressados passageiros. Estes começaram passaram então a trazer petiscos e comida para aliviar sua vigília.

Em 1929, Hachiko contraiu um caso grave de sarna, que quase o matou. Devido aos anos passados nas ruas, ele estava magro e com feridas das brigas com outros cães. Uma de suas orelhas já não se levantava mais, e ele já estava com uma aparência miserável, não parecendo mais com a criatura orgulhosa e forte que tinha sido uma vez.

Um dos fiéis alunos de Ueno viu o cachorro na estação e o seguiu até a residência dos Kobayashi, onde aprendeu a história da vida de Hachiko. Coincidentemente o aluno era um pesquisador da raça Akita, e logo após seu encontro com o cão, publicou um censo de Akitas no Japão. Na época haviam apenas 30 Akitas puro-sangue restantes no país, incluindo Hachiko da estação de Shibuya. O antigo aluno do Professor Ueno retornou frequentemente para visitar o cachorro e durante muitos anos publicou diversos artigos sobre a marcante lealdade de Hachiko.

Sua história foi enviada para o Asahi Shinbun, um dos principais jornais do país, que foi publicada em setembro de 1932. O escritor tinha interesse em Hachiko, e prontamente enviou fotografias e detalhes sobre ele para uma revista especializada em cães japoneses. Uma foto de Hachiko tinha também aparecido em uma enciclopédia sobre cães, publicada no exterior. No entanto, quando um grande jornal nacional assumiu a história de Hachiko, todo o povo japonês soube sobre ele e se tornou uma espécie de celebridade, uma sensação nacional. Sua devoção à memória de seu mestre impressionou o povo japonês e se tornou modelo de dedicação à memória da família. Pais e professores usavam Hachiko como exemplo para educar crianças.

Em 21 de Abril de 1934, uma estátua de bronze de Hachiko, esculpida pelo renomado escultor Teru Ando, foi erguida em frente ao portão de bilheteria da estação de Shibuya, com um poema gravado em um cartaz intitulado “Linhas para um cão leal”. A cerimônia de inauguração foi uma grande ocasião, com a participação do neto do professor Ueno e uma multidão de pessoas.

Hachiko envelheceu, tornou-se muito fraco e sofria de problemas no coração (heartworms). Na madrugada de 8 de março de 1935, com idade de 11 anos e 4 meses, ele deu seu último suspiro no mesmo lugar onde por anos a fio esperou pacientemente por seu dono. A duração total de seu tempo de espera foi de nove anos e dez meses. A morte de Hachiko estampou as primeiras páginas dos principais jornais japoneses, e muitas pessoas ficaram inconsoláveis com a notícia. Um dia de luto foi declarado.

Seus ossos foram enterrados na sepultura do professor Ueno, no Cemitério Aoyama, Minami-Aoyama, Minato-ku, Tóquio. Sua pele foi empalhado – para conservar-lhe as formas e submetido à substâncias que o isentam de decomposição, e o resultado deste maravilhoso processo de conservação está agora em exibição no Museu Nacional da Ciência do Japão em Ueno. Alguns autores dizem que Hachiko, esta no Museu de Artes de Tóquio.

Durante a 2ª Guerra Mundial, para aplicar no desenvolvimento de material bélico, todas as estátuas foram confiscadas e derretidas, e, infelizmente, entre elas estava a de Hachiko.

Em 1948, formou-se a “The Society For Recreating The Hachiko Statue” entidade organizada em prol da recriação da estátua de Hachiko. Tekeshi Ando, o filho de Teru Ando foi contratado para esculpir uma nova estátua. A réplica foi reintegrada no mesmo lugar da estátua original, em uma cerimônia realizada no dia 15 de agosto.

A estação de Odate, em 1964, recebeu a estátua de um grupo de Akitas. Anos mais tarde, em 1988, também uma réplica da estátua de Hachiko foi colocada próxima a estação. A história de Hachiko atravessa anos, passa de pai para filho, sendo até mesmo ensinada nas escolas japonesas – no início do século para estimular lealdade ao governo, e atualmente, para exemplificar e instilar o respeito e a lealdade aos anciãos.

Na atualidade, viajantes que passam pela estação de Shibuya podem comprar presentes e recordações do seu cão favorito na Loja localizada no Memorial de Hachiko chamada “Shibuya No Shippo” ou “Tail of Shibuya”. Um mosaico colorido de Akitas cobre a parede perto da estação.

Todos os anos, no dia 8 de março. Ocorre uma cerimônia solene na estação de trem de Shibuya, em Tóquio. São centenas de amantes de cães que se reúnem em homenagem à lealdade e devoção de Hachiko. Ao nascimento de uma criança, a família recebe uma estatueta de Akita como desejo de saúde, felicidade e vida longa. O objeto também é considerado um amuleto de boa sorte. Quando há alguém doente, amigos dão ao enfermo esta estatueta, desejando pronta recuperação.

Por causa desse zelo, o Akita se tornou Patrimônio Nacional do povo japonês, tendo sido proibida sua exportação. Se algum proprietário não tiver condições financeiras de manter seu cão, o governo japonês assume sua guarda.

Como levar cachorro no carro – Guia completo

por Camila Da Silva — publicado 19 mar 2019 - 3:27

como levar cachorro no carro

Saber como levar cachorro no carro é essencial para quem adora viajar e passear com os pets. Uma vez que, para além do que diz a lei, precisamos simplesmente pensar na segurança do cãozinho e de todos os passageiros que estão no veículo.

A seguir, no entanto, tiraremos todas as suas dúvidas acerca deste assunto. Acompanhe:
O que você precisa saber acerca da lei

Antes de qualquer coisa, vale salientarmos o que a lei defende sobre este tipo de transporte de animais de estimação.

 » Read more about: Como levar cachorro no carro – Guia completo  »

Como Acabar Com as Pulgas no Quintal de Terra

por Camila Da Silva — publicado 14 mar 2019 - 17:41

como acabar com as pulgas no quintal de terra

Saber como acabar com as pulgas no quintal de terra é essencial para manter o ambiente sempre limpo e saudável. Principalmente se os seus pets adoram transitar pelo local.

Porém, a infestação de pulgas é uma realidade em diversas casas brasileiras. Geram uma dor de cabeça e tanto, e muitas vezes os tutores encontram dificuldades para acabar com a infestação.

Em contrapartida, algumas medidas simples podem acabar com o problema facilmente.

 » Read more about: Como Acabar Com as Pulgas no Quintal de Terra  »

As Cadelas Mais Velhas Entram na Menopausa?

por Handreza Hayran — publicado 14 mar 2019 - 0:10

cadelas

A menopausa é definida como a cessação dos ciclos mensais. Ao contrário dos humanos, as cadelas não passam pela menopausa, pois os caninos não têm um ciclo mensal. Em vez disso, eles entram em ciclo estral a cada seis meses mais ou menos. A regularidade do seu ciclo reprodutivo depende da idade e raça.

À medida que o cão envelhece, os ciclos de estro podem se tornar irregulares, mas a cadela ainda é fértil.

 » Read more about: As Cadelas Mais Velhas Entram na Menopausa?  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Como levar cachorro no carro – Guia completo

por Camila Da Silva — publicado 19 mar 2019 - 3:27

como levar cachorro no carro

Saber como levar cachorro no carro é essencial para quem adora viajar e passear com os pets. Uma vez que, para além do que diz a lei, precisamos simplesmente pensar na segurança do cãozinho e de todos os passageiros que estão no veículo.

A seguir, no entanto, tiraremos todas as suas dúvidas acerca deste assunto. Acompanhe:

como levar cachorro no carro

(Foto: Freepik)

O que você precisa saber acerca da lei

Antes de qualquer coisa, vale salientarmos o que a lei defende sobre este tipo de transporte de animais de estimação. Veja:

  • Artigo 235: Não se deve carregar animais nas partes externas do veículo (a menos em casos em que exista autorização), cuja infração pode resultar em multa média de R$ 195,23, além de 5 pontos na CNH e possibilidade de retenção do veículo para transbordo.
  • Artigo 252: Não se deve transportar animais à esquerda ou entre braços e pernas do motorista, sob pena de multa média de R$ 130, 16 e 4 pontos na CNH.
  • Artigo 169: O artigo que trata da proibição de que animais possam circulem livremente pela cabine do veículo.
como levar cachorro no carro

Vai viajar? Saiba como levar cachorro no carro! (Foto: Freepik).

Sendo assim, é muito importante que possamos estabelecer um lugar confortável e seguro para o nosso cachorro. Pois assim você mantém o mesmo a salvo, em casos de acidente, além de estar cumprindo com o que a lei estabelece como regra.

Como levar cachorro no carro?

Agora que você já conhece a legislação, vamos lhe apresentar as possibilidades de como levar cachorro no carro. Uma vez que não existe apenas uma única forma de transportá-lo com segurança e consideração da lei de trânsito. Veja, portanto, quais são as possibilidades disponíveis atualmente:

1- Utilizando o cinto de segurança canino

A primeira e mais prática opção que você pode utilizar é a do cinto de segurança canino. Sendo que o mesmo pode ser acoplado no carro no momento em que for transportar o seu pet. E assim, é possível transportar o equipamento em sua bolsa, sem a necessidade de sempre adquirir um novo para cada veículo.

A diferença deste cinto com relação ao cinto comum que utilizamos, está na altura que o mesmo se “encaixa” em nosso cão. E assim gera a seguridade perfeita para que o animal fique preso de forma eficiente e confortável.

O formato do cinto é parecido com as coleiras peitorais. E, por essa razão, promove uma maior liberdade para o cãozinho, que poderá deitar e sentar tranquilamente.

como levar cachorro no carro

(Foto: Freepik)

2- Utilizando a grade divisória para carro

A grade divisória tem como objetivo separar o banco de trás do da frente, a partir de uma “tela” de proteção. Esta tela impedirá que o animal tente distrair o tutor, dirigindo-se ao banco dianteiro.

Porém, esta divisão, por si só, não pode ser utilizada sem o acompanhamento do cinto canino. Uma vez que não é permitido por lei que o pet fique se locomovendo livremente no interior do veículo.

Mas, para além disso, incluir o cinto canino é garantir que o seu cão fique super seguro e confortável durante toda a viagem.

Este tipo de equipamento é, portanto, ideal para animais de porte maior, que poderiam atrapalhar o motorista mesmo enquanto utilizam o cinto canino. Uma vez que poderiam se “pendurar” para frente, tentando alcançar o motorista.

3- Utilizando a caixa de transporte

A caixa de transporte, por sua vez, é uma ótima opção para animais que sejam de médio e pequeno porte. Podendo ser levada no banco traseiro, desde que seja presa no cinto de segurança do próprio carro.

Porém, é importante observar o comportamento do cão, enquanto o mesmo estiver dentro da caixa. Pois como se trata de um compartimento muito pequeno, é bem possível que o cachorro fique muito ansioso e estressado.

Nestes casos é preciso promover uma adaptação prévia para o animal. Incluindo passeios com a caixa de transporte, pouco a pouco. Antes de simplesmente se aventurar com deslocamentos de longa distância.

como levar cachorro no carro

(Foto: Freepik)

Caso contrário você poderá afetar a saúde mental do seu cachorro. Mas, além disso, ele poderá refletir isso mordendo a caixa, tentando sair. Bem como poderá ficar “chorando” ou latindo durante todo o trajeto. E ainda: poderá urinar e defecar dentro da caixa, obrigando você a parar e limpar a situação.

Lembre-se que qualquer mudança muito brusca pode gerar muito desconforto e medo nos nossos cães. E, por essa razão, é muito importante que você tenha paciência e estimule-o aos poucos, para que se acostume com este tipo de passeio.

4- Utilizando a cadeirinha de cachorro

As cadeirinhas de cachorro são encontradas em diversos tamanhos, contemplando todos os portes caninos. Este tipo de cadeirinha é super confortável e gera mais liberdade para o pet.

Além de sempre considerar a segurança do mesmo, que ficará “preso” em uma espécie de “cestinha”.

Como levar o cachorro em táxi e uber?

As alternativas acima são interessantes e contemplam as mais diversas necessidades de deslocamento de cães. Porém, precisamos manter este mesmo cuidado quando vamos viajar de uber ou de táxi.

Primeiramente é essencial que você se certifique com o motorista sobre a possibilidade de transportar o pet. Assim é possível evitar contratempos como atrasos, por exemplo.

como levar cachorro no carro

(Foto: Freepik)

A partir disso é imprescindível que você mesmo proporcione os subsídios para o transporte do animal. Ou seja, você poderá levar consigo qualquer uma das opções que citamos, embora saibamos que o cinto e a caixa de transporte sejam as mais práticas e fáceis de carregar.

Portanto, tenha sempre consigo alguma destas opções para gerar conforto e segurança para o seu pet.

E, além disso, lembre-se de sempre levar consigo uma toalha velha para forrar o carro em questão. Assim você evita que o mesmo possa ficar com alguma sujidade no fim da viagem. Afinal, o veículo não é seu e requer este cuidado com ainda mais atenção.

A segurança do pet em primeiro lugar!

Saber como levar cachorro no carro é garantir que o mesmo tenha conforto e segurança durante todo o trajeto. Além de promover a segurança de todos os passageiros presentes no veículo. Aposte nestas possibilidades e gere ainda mais conforto para o seu melhor amigo. E tenham uma ótima viagem!

Como Acabar Com as Pulgas no Quintal de Terra

por Camila Da Silva — publicado 14 mar 2019 - 17:41

como acabar com as pulgas no quintal de terra

Saber como acabar com as pulgas no quintal de terra é essencial para manter o ambiente sempre limpo e saudável. Principalmente se os seus pets adoram transitar pelo local.

Porém, a infestação de pulgas é uma realidade em diversas casas brasileiras. Geram uma dor de cabeça e tanto, e muitas vezes os tutores encontram dificuldades para acabar com a infestação.

Em contrapartida, algumas medidas simples podem acabar com o problema facilmente. E para te ajudar, trouxemos algumas dicas que darão “um fim” para a infestação de pulgas no seu quintal. Acompanhe:

Dicas de como acabar com as pulgas no quintal de terra

Com algumas medidas simples e práticas você já saberá como acabar com as pulgas no quintal de terra. Lembrando que é necessário ter paciência e ser persistente, ok?

Afinal, este tipo de inseto tende a se proliferar e reproduzir de uma maneira muito acelerada, gerando ainda mais desconforto. Portanto, persista nos cuidados abaixo e diga adeus aos problemas relacionados às pulgas.

1- Mantenha o ambiente mais úmido ao longo do dia

Esta é a primeira dica que apresentaremos para você: procure manter o ambiente um pouco mais úmido. Isso porque as pulgas tendem a preferir ambientes mais quentes e sequinhos, e por isso se proliferam em quintais de terra. Afinal, ali há bastante pó para elas.

Portanto, ao longo do dia utilize um regador ou um balde para dar aquela “encharcada” no chão. Assim o ambiente se mantém mais úmido e por mais tempo. Inibindo que o mesmo fique “do jeitinho” que elas gostam.

como acabar com as pulgas no quintal de terra

2- Evite acumular entulhos que possam intensificar a manifestação

Como já mencionamos, as pulgas adoram ambientes mais sequinhos e quentes para se reproduzirem. E, por essa razão, é muito importante que você evite acumular entulhos em seu quintal.

Isso inclui papelão e madeira, por exemplo. Pois estes acúmulos podem se tornar na casa ideal para a proliferação das tão temidas pulgas.

Dessa maneira, faça regularmente aquela faxina no seu quintal. E se tiver que armazenar qualquer tipo de material, procure fazer isso de uma maneira organizada. Sempre mantendo limpo e bem embalado, se possível.

Assim você diminui as chances das pulgas impregnarem neste tipo de material. Além de deixar o seu quintal mais visualmente interessante.

3- Mantenha o ambiente sempre limpo

Já ficou claro que manter a higiene do local é essencial para inibir a proliferação das pulgas. Saber como acabar com as pulgas no quintal de terra está diretamente atrelado à organização.

Dessa forma, tente sempre manter o seu quintal arrumado e limpo. Mantenha os vasos de plantas, por exemplo, sempre bem cuidados e podados. Quanto menos “bagunça” tiver no seu quintal, menos cantinhos haverá para as pulgas.

Porém, lembre-se também que a organização não é a única aliada na luta contra as pulgas, ok? E tampouco a sua manifestação se dá apenas a partir de ambientes “sujos”.

Esta é apenas mais uma maneira de inibir a proliferação. Mas, ainda sim é possível que as pulgas se reproduzam. Uma vez que elas são super resistentes e conseguem se adaptar a diversos tipos de ambientes.

4- Livre o seu cão das pulgas!

Com os passos anteriores postos em prática, é hora de aguardar o resultado, certo? Errado!

Agora você precisa verificar se o seu cachorro não está apresentando a proliferação de pulgas. Para que assim, caso ele esteja, você possa encontrar o remédio adequado para o porte e raça.

Neste caso é essencial que você utilize shampoo específico, bem como converse com o seu veterinário de confiança para saber qual o melhor remédio para o seu cão. Evite, dessa forma, medicá-lo por conta própria, pois é possível que ele apresente reações adversas, ok?

como acabar com as pulgas no quintal de terra

5- Verifique os outros ambientes da casa

É essencial que você também faça uma vistoria “pesada” em todos os ambientes de sua casa. Pois se o seu cão apresenta a manifestação, é bem possível que haja a proliferação de pulgas até mesmo dentro de casa.

Dessa forma, você deverá higienizar e desinfetar toda a sua casa, utilizando a receita caseira que apresentaremos no fim deste artigo.

Troque as roupas de cama regularmente e, em caso de contaminação severa, sempre cuide muito bem das possíveis “picadas” que você pode levar. Lave-as com água e sabão antibacteriano, a fim de evitar maiores complicações.

O processo pode parecer um pouco difícil, e até mesmo demorado. Mas, como já mencionamos, o ideal é que você não desista. Pois é possível acabar com as pulgas!

6- Observe o ambiente para evitar a proliferação

Com todos os outros pontos postos em prática, você precisará acompanhar o desempenho de toda a limpeza que tem feito até então. E assim, poderá analisar se dentro de casa já está livre do problema, por exemplo.

Do mesmo modo é essencial que você acompanhe de perto a eliminação no seu quintal de terra, a fim de garantir que não haja um aumento repentino no número de pulgas.

Mantendo assim, um maior controle.

7- Aprenda a fazer um remédio caseiro

Por fim, aprenda a fazer um poderoso remédio caseiro e saiba de uma vez por todas como acabar com as pulgas no quintal de terra. Você vai precisar de pouquíssimos ingredientes. São eles:

  • 5 litros de vinagre branco;
  • 2,5 litros de água filtrada;
  • 600 ml de suco de limão;
  • 300 g de extrato de hamamélis.

Para preparar o seu remédio, basta você misturar bem todos os ingredientes, deixando descansar por 10 minutinhos. Depois, chacoalhe bem e coloque-os dentro de um grande pulverizador.

A partir disso, pulverize a mistura em todo o seu quintal – já previamente limpo e organizado – a fim de matar todas as pulgas. Repita este processo por, pelo menos, 7 dias.

como acabar com as pulgas no quintal de terra

Dica: Se perceber que a manifestação também está dentro da sua casa, utilize a mesma mistura para acabar com o problema. Para isso, faça uma faxina com o auxílio do aspirador de pó, e pulverize a mistura em todos os cantinhos e superfícies. Repita até eliminar o problema.

Cuidados simples que fazem a diferença

Viu só como acabar com as pulgas no quintal de terra é mais simples do que parece? Com alguns cuidados práticos você poderá fazer a diferença no seu quintal e na sua vida. Gerando mais qualidade de vida e conforto para você e para o seu cão. Depois é só nos contar os resultados que você obteve!