Natação canina

Saiba o que fazer para manter seu cão seguro na água

por Samantha Kelly — publicado 18 fev 2013 - 0:29

A natação canina pode ser uma ótima alternativa para o seu cão enfrentar o calor, relaxar e se exercitar de uma maneira divertida. Existem terapias na água para cães com problemas de quadril, de ligamentos e que trabalham com cachorros que estão recuperando de uma cirurgia.

Cachorros nadando. Foto: Reprodução

Os pontos positivos são vastos, a questão é que nem todos os cães sabem ou podem nadar. Essa afirmação pode surpreender alguns donos, já que para muitos seria praticamente um fato consumado no inconsciente coletivo das pessoas que os cães são nadadores natos. A verdade é que algumas raças têm sim dificuldade.

Se você colocar qualquer cão na água, ele vai imediatamente começar a nadar naquele movimento que nós comumente conhecemos como “nadar cachorrinho”, porém alguns não vão conseguir sair do lugar ou flutuar e podem afundar como uma pedraSaiba como garantir que o seu cão tenha uma experiência agradável na água.

 

Raças que podem nadar

 

Natação canina. Foto: Reprodução

Raças que foram criadas para realizar resgates e caçar em ambientes com água, geralmente se sentem muito confortáveis quando podem nadar.  O corpo dessas raças, com seus membros fortes, faz com que elas nadem com mais naturalidade.

Exemplo de raças que podem ser ótimos natadores: Labrador Retriever, Golden Retriever, Terra Nova, Cão de água Irlandês, Cão d’Água Português, Setters, etc.

OBS: Deve-se levar em consideração que a descrição da raça é uma propensão, não uma regra absoluta. Muitos cães que fisicamente são perfeitamente capazes de nadar, simplesmente não gostam da água. O seu cão é um indivíduo com gostos particulares que cabem ao dono serem lidos e compreendidos. Não é porque você tem um cão da raça Golden Retriever, que ele vai com certeza gostar de nadar.

 

Cães que podem ter dificuldade de nadar

 

O Buldogue Inglês possui dificuldade de nadar. Foto: Reprodução

A dificuldade para nadar de alguns cães está mais associada à seu corpo, sua anatomia e fisiologia, do que propriamente a uma incapacidade de se mexer debaixo d’água.

Abaixo listamos alguns motivos que dificultam o seu cão na hora da natação:

Cães braquicefálicos (que possuem a famosa “cara amassada”. ex.: Buldogue, Pug, boxer, etc) possuem mais  dificuldade para nadar já que para respirar, eles precisam manter a boca e o nariz acima do nível da água, deixando-os praticamente em posição vertical, o que faz com que afundem.

Quanto mais “amassado” o focinho, mais dificuldade o cão terá para nadar.

Cães com cabeças desproporcionais ao seu corpo, assim como uma densa massa muscular, o que significa que quando o cão estiver flutuando, ele irá naturalmente afundar para frente, tornando difícil manter a cabeça para fora da água e a flutuabilidade.

Cães com pernas pequenas e desproporcionais ao seu corpo, como o Dachshund ou o Basset Hound, já que suas patas não são grandes o suficiente para manter o corpo e a flutuabilidade.

Cães com pelagem densa podem encontrar dificuldade para nadar já que uma vez que estiverem molhados, o peso da pelagem aumenta, significando uma força afundar o cão.

Cães que possuem alguma deficiência física. Cabe ao dono analisar se o tipo de deficiência física vai impedir ou dificultar a natação do cão a ponto de colocar a sua saúde em perigo.

 

O site Pets4Homes listou algumas raças com dificuldades para nadar:

 

Raças que possuem dificuldade de nadar. Foto: Reprodução

Buldogue Inglês: Por seu um cão com uma cabeça desproporcional e ser braquicefálico, ele pode afundar rapidamente. O  caso do Buldogue Inglês é tão sério que algumas ONGS e criadores quando vão realocá-lo em um novo local checam se os cães irão ter acesso à água para informar o novo dono.

Pug: Porque o Pug é braquicefálico e seu focinho é exageradamente amassado, ele possui ainda mais dificuldade para nadar.

Pequinês: Braquicefálico, o Pequinês não consegue manter o focinho acima da água em posição para nadar.

Boxer: Também um cão braquicefálico. Alguns com o focinho mais longo ainda conseguem nadar.

Stafforshire Bull Terrier: No geral não conseguem nadar devido ao tamanho da cabeça em proporção ao corpo.

American Bull Terrier e Buldogue Americano: Com físico similar ao do Sttafordshire Bull Terrier, não conseguem manter a cabeça acima da água e flutuar.

Basset Hound: Pernas curtas e estrutura óssea pesada que dificultam a natação.

Dachshund: Pernas muito curtas em relação ao corpo.

 

Mantendo seu cão seguro na água

 

Como já citamos anteriormente, o dono nunca deve deixar o cachorro sozinho na água sem supervisão. Até mesmo o mais experiente dos cães pode ficar nervoso ou perder o controle e afundar. Os afogamentos podem acontecem muito rápido e em questão de minutos que você não está olhando uma tragédia pode acontecer.

No geral, o dono sempre deve estar supervisionando enquanto o cão está na água, de preferência de perto para poder auxiliá-lo em qualquer dificuldade.

Fique atento para sinais de cansaço e excitação extrema.

 

Produtos: 

 

Colete salva vidas é uma peça fundamental para os cães que vão nadar. Foto: Reprodução

Na seção “Dica de Compra” do Portal do Dog, indicamos duas possibilidades que podem ajudar passeios que incluem diversão na água.

A primeira é um colete salva vidas feito especificamente para cachorros. É importante para que o seu cão tenha mais segurança ao nadar (veja aqui).

A segunda é uma piscininha de plásticos do tipo infantil, para que o seu cão possa se exercitar e se refrescar, mesmo que não esteja acostumado com piscinas fundas. Verifique a quantidade de água, pois para raças do tipo Toy e filhotes, até mesmo uma piscina rasa pode ser grande (veja aqui).

 

Treinando seu cão para um dia de natação

 

Dicas para uma natação canina agradável. Foto: Reprodução

Para alguns cães, o difícil não é fazer com que eles entrem na piscina, e sim fazê-los sair! Eles amam a água e não perdem uma oportunidade de nadar e se divertir.

Entretanto, se o seu cão têm medo, treme e evita chegar perto da piscina, é necessário paciência e atenção do dono.

Primeiramente, é importante transmitir tranquilidade. Quando ele estiver a caminho da água, encoraje-o com recompensas e elogios.

Para cães que gostam de brincar de Fetch, jogue um brinquedinho perto, e progressivamente mais longe, acostumando o  animal a nadar e se mover dentro da água.

Se o seu cão for nadar na piscina, é necessário que haja uma escada para que o cão saia quando quiser.

O mar ou um lago podem ser mais fáceis para o cão entrar já que há um declínio natural no terreno e o cão pode ir sentindo o cheio natural no chão.

Não deixar que o cão nade em lugares com correnteza.

Sempre cheque se o seu cão está cansado.

Remédio de verme para cachorro – Quando e como dar?

por Camila Da Silva — publicado 13 jul 2019 - 9:45

remedio de verme para cachorro

Remédio de verme para cachorro é algo que deve ser administrado com uma certa frequência. No entanto, não existe uma única forma de medicar os cães, tendo em vista que cada raça reagirá de uma fora. Além de que cada tipo de verme requer um tratamento específico, fazendo com que o processo precise de atenção. Desta forma, acompanhe o nosso texto para entender tudo sobre o assunto.
Remédio de verme para cachorro

O remédio de verme para cachorro é imprescindível.

 » Read more about: Remédio de verme para cachorro – Quando e como dar?  »

Cachorro puxando a coleira – Como evitar?

por Camila Da Silva — publicado 13 jul 2019 - 9:45

cachorro puxando a coleira

Cachorro puxando a coleira é algo extremamente corriqueiro na vida de donos de cães. Se este problema está ocorrendo com você a todo momento que tenta levar seu animal para passear, é hora de esclarecer algumas coisas a respeito disso. Puxar a coleira é uma das formas que os cães, principalmente mais novos, exercem para provocar e tentar assumir o poder. Entretanto, acompanhe o texto e veja o que você pode fazer para que isso não aconteça mais.

 » Read more about: Cachorro puxando a coleira – Como evitar?  »

Atividades físicas para cães idosos

por Camila Da Silva — publicado 12 jul 2019 - 9:45

Se você está buscando por atividades físicas para cães idosos, saiba que está no lugar certo. Hoje vamos abordar este tema que, por muitas vezes, acaba passando batido nos lares de cães. Afinal, todos cães vão ficar idosos. E, para que eles cheguem nesta idade com uma energia extra, é importante fazer exercícios da forma certa. Por isso, acompanhe o texto e saiba como você pode ajudar o seu idosinho.
Atividades físicas para cães idosos

A primeira coisa que você precisa ter em mente é que os cachorros vão sim envelhecer.

 » Read more about: Atividades físicas para cães idosos  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Remédio de verme para cachorro – Quando e como dar?

por Camila Da Silva — publicado 13 jul 2019 - 9:45

remedio de verme para cachorro

Remédio de verme para cachorro é algo que deve ser administrado com uma certa frequência. No entanto, não existe uma única forma de medicar os cães, tendo em vista que cada raça reagirá de uma fora. Além de que cada tipo de verme requer um tratamento específico, fazendo com que o processo precise de atenção. Desta forma, acompanhe o nosso texto para entender tudo sobre o assunto.

Remédio de verme para cachorro

O remédio de verme para cachorro é imprescindível. Ele é responsável por controlar uma série de bactérias, infecções e doenças causadas pela má gestão da saúde do animal. É claro que muitas vezes nem percebemos o que está acontecendo com nosso animal de estimação por inúmeros motivos. Entretanto, prevenir é algo que precisa ser feito e é a forma mais efetiva de controlar uma infestação no organismo do cão.

Desta forma, é de suma importância que você atente-se para alguns critérios importantes na hora de remediar o seu animal. E para isso, entender a real função do remédio de verme para cachorro é extremamente importante, uma vez que somente desta forma você poderá fazer da forma certa. Continue lendo para entender.

remedio de verme para cachorro

Qual a função do remédio de vermes?

Basicamente, a função do remédio de verme para cachorro é uma só: conter uma infestação bacteriana interna. Ou seja, proteger o seu animal de doenças causadas por invasores que buscam por abrigo e comida. Desta forma, medicar o cachorro de forma regular e consciente faz parte do processo. E para isso, você precisará saber exatamente o que está tratando ou buscando tratar.

Vermífugos básicos podem ser administrados em algumas raças, desde que faça-se um acompanhamento veterinário. Nunca aplique qualquer tipo de remédio no seu cachorro sem alguma constatação especializada. Diversas raças podem ter reações colaterais advindas de uma medicação equivocada. É claro que precisa ser feito, mas também precisa-se de muita atenção e cuidados.

Como falamos, o remédio de vermes irá contê-los. No entanto, há situações em que a contaminação já está grande demais para uma simples intervenção com vermífugo. Neste caso, outras manobras precisam ser exercidas para remover as pragas do organismo do seu cachorro. Entretanto, somente um veterinário poderá indicar uma forma mais eficaz de conter os vermes em cães, caso o estado esteja avançado.

Estes remédios geralmente costumam ser muito úteis e acabam com o problema em pouco tempo. No entanto, é preciso fazer a aplicação de forma regular. Ou seja, de tempos em tempos você precisará fornecer o vermífugo ao cão. Seja de forma líquida ou comprimido. O importante é sempre prevenir.

Por mais que você tenha feito todas as medicações no cachorro enquanto filhote, este caso em específico precisa ser administrado de perto. Ou seja, sempre há necessidade de evitar um problema maior. Veja abaixo alguns dos vermes que os cães contraem.

remedio de verme para cachorro

Alguns tipos de vermes

  • Lombrigas: este é o tipo de verme mais comum encontrado em cães. Ela parece-se com um espaguete que pode medir diversos tamanhos. Pode ser encontrado nas fezes do animal.
  • Tênias: este é um tipo de verme de cachorro que é transmitido pelas pulgas. O organismo é o habitat natural para as tênias, podendo comprometer uma série de órgãos vitais.
  • Vermes do coração: talvez um dos mais agressivos, visto que instala-se no coração do cachorro, provocando má formação do músculo cardíaco, podendo provocar a morte em pouco tempo.
  • Vermes do chicote: este é um verme que possui o corpo extremamente pequeno. Dificilmente a percepção pode ser feita de forma natural. Inclusive os sintomas são muito superficiais, podendo demorar algum tempo até o diagnóstico de vermes de chicote.

Sintomas de vermes em cachorros

Agora que você já entendeu um pouco da importância de manter o vermífugo em dia no organismo do seu cachorro, é hora de descobrir alguns dos principais sintomas. Como mencionado anteriormente, cada verme possui uma “função” no organismo do cão, podendo dilacerar uma série de órgãos. Alguns dos mais comuns (citados anteriormente), têm o reconhecimento muito dificultado somente por sintomas.

Você precisará fazer muitas observações no cachorro e nas fezes dele para descobrir se há algo de errado. Entretanto, prevenir é sempre o melhor remédio. Desta forma, vermifugar o animal de forma certa e no tempo hábil que o veterinário recomendar, pode ser a melhor escolha. Entretanto, alguns sintomas muito visíveis em cães com vermes são estes:

remedio de verme para cachorro

  • Tosse em excesso: ela é encontrada em cachorros que possuem o verme ancilostomídeos. Repare se o seu animal está apresentando este sintoma e desconfie de uma possível infestação.
  • A diarréia pode aparecer: caso note as fezes do cão em estado líquido, saiba que uma contaminação pode ser a responsável. Outro fator comum é encontrar sangue nas fezes, o que indica ainda mais cuidados.
  • Vômito: talvez o sintoma mais básico de qualquer tipo de verme.
  • Muito cansaço: caso você note uma defasagem na energia do seu cachorro, desconfie que pode ser provocado por vermes.
  • Pêlos em estado fosco: mais um motivo para acreditar que seu cachorro está com vermes. Procure sempre um veterinário para auxiliar no processo de identificação.
  • Vermes visíveis: além de todas estas situações, a presença visível de vermes nas fezes é a forma mais efetiva de concluir a presença dos parasitas. Neste caso, a vermifugação é urgente.

Como dar o remédio de verme para cachorro?

Depois de concluir que sim, seu cachorro está com verme, ou então buscar a prevenção, há um fator difícil de lidar: como remediar o cachorro? Esta pode ser uma das fases mais difíceis do processo, visto que cada cão irá reagir de uma forma diferente. Alguns demonstrarão excesso de confiança, outros demonstrarão excesso de desconfiança. E tudo que você precisa fazer é encontrar a forma menos invasiva de proceder com o remédio.

Existe remédio de verme para cachorro em diversos formatos, sendo líquidos ou comprimidos. Há quem ache a forma líquida mais fácil, há quem prefira o comprimido. Fato é que você precisa manter o animal calmo, fazer muito carinho e não fazê-lo ficar com medo.

Caso ele resista, não force. Vá aos poucos até conseguir. Se o cão aparentar agressividade é importante se afastar, pois há risco de uma mordida. Em todos os casos, o auxílio de um profissional veterinário pode ser a melhor solução. Boa sorte!

Cachorro puxando a coleira – Como evitar?

por Camila Da Silva — publicado 13 jul 2019 - 9:45

cachorro puxando a coleira

Cachorro puxando a coleira é algo extremamente corriqueiro na vida de donos de cães. Se este problema está ocorrendo com você a todo momento que tenta levar seu animal para passear, é hora de esclarecer algumas coisas a respeito disso. Puxar a coleira é uma das formas que os cães, principalmente mais novos, exercem para provocar e tentar assumir o poder. Entretanto, acompanhe o texto e veja o que você pode fazer para que isso não aconteça mais.

Cachorro puxando a coleira

Cachorro puxando a coleira é uma situação complicada. Você não possui muitos artifícios quando isso ocorre, visto que se você puxar, poderá machucar o animal. E esta de fato não é melhor solução. Entretanto, há maneiras de treinar o seu cachorro para que ele respeite você e, acima de tudo, a coleira.

Principalmente quando os cachorros são jovens ou filhotes (como queira chamar), geralmente eles estão em uma fase em que tudo é novidade, tudo é diferente e tudo parece ao alcance deles. É o equivalente a um jovem adolescente que, por muitas vezes, acredita que tudo é fácil e da noite para o dia. Entretanto, nem sempre o filhote terá as liberdades que ele gostaria de ter. E neste caso, você precisará fazer intervenções para que ele cresça educado.

cachorro puxando a coleira

Adestramento faz toda diferença

O adestramento é o primeiro passo para evitar o cachorro puxando a coleira. O adestramento de cachorro é uma tarefa não muito fácil, mas que torna tudo mais fácil na sua vida e na vida do animal. Entretanto, para que você consiga ter êxito e bons resultados neste quesito, contar com uma ajuda profissional é indispensável. Afinal, há quem acredite que adestramento é sinônimo de castigos e brigas.

Muito pelo contrário. Adestramento não faz o cão sentir-se com medo, tampouco ameaçado. Algumas técnicas apenas buscam o equilíbrio da educação de um cão filhote que ainda não conhece os limites que ele precisa seguir. Ou seja, tudo que falta para ele é uma forma de condicionar situações como positivas, negativas, liberadas ou proibidas.

E mantê-los na coleira de forma civilizada, muitas vezes é simplesmente fazê-lo entender que naquela situação, ele precisará caminhar ao lado do dono, sem correr e sem puxar. É claro que não é o trabalho mais simples do mundo. Afinal, estamos falando de animais. No entanto, é sim possível mostrar para eles como devem agir durante os passeios.

Ensinar é muito melhor do que corrigir

Corrigir nossos cachorros pode ser uma das coisas mais tristes e desafiadoras que podemos encontrar. Por isso, ensinar é muito melhor do que corrigir. Afinal, ensinando você garante o aprendizado do animal. Corrigindo, muitas vezes você fará ele passar por situações estressantes, exageradamente desconfortáveis e pesadas.

O adestramento é uma forma muita mais pacífica de educar o cão, afinal, as correções são justamente uma forma de mostrar o que ele fez de errado e associar isso com algo negativo. Já no adestramento, você poderá incentivá-lo a práticas positivas e, desta forma, premiá-lo com biscoitos ou outras formas. Conseguindo perceber esta diferença, certamente conseguiremos ter cães muito mais obedientes e muito menos tristes.

cachorro puxando a coleira

Mostre quem está no poder

Quando o cachorro puxando a coleira desafiar você, é hora de mostrar quem está no poder. E você deverá fazer isso de forma saudável, sem usar força ou ofensas. Um bom exemplo do que você pode fazer na hora, é parar a caminhada. Ou seja, quando o cão estiver lhe puxando, pare. Deixe-o entender que ele somente poderá andar a partir do momento que você andar. Ou seja, esta é uma forma de proporcionar autorização. E isto é muito positivo.

Não importa quantas vezes tiver que parar. O importante é o cachorro perceber a diferença de quem está no poder: ele ou você. E quando ele perceber que não poderá andar sem você, aos poucos ele condicionará a mensagem ao fato de que é você quem manda.

Duas técnicas para experimentar

Como citado anteriormente, adestramento certamente é uma das formas mais saudáveis de proporcionar educação ao cão. E quando ele for filhote, aí a situação é ainda mais simples, pois não há certos costumes difíceis de tirar, etc. No entanto, se o cachorro puxando a coleira é uma realidade para você, há duas técnicas que poderá tentar. Veja abaixo.

cachorro puxando a coleira

Técnica da coleira solta

A técnica da coleira solta é uma das mais eficazes para cachorros desobedientes. Ela é uma forma de recompensar cada vez que o cão fizer algo certo. Ou seja, quando ele deixar a coleira solta, você recompensa ele com um biscoito. No entanto, não é tão simples como parece. Esta técnica pode levar um tempo para funcionar, até que seu cão associe o biscoito com a coleira solta.

Funciona assim: você coloca a coleira no cachorro assim que ele sair de casa e mantém ele no máximo a 1 metro de você. Fique parado por um tempo para o cachorro sentir o raio da coleira. Toda vez que ele caminhar e deixar o cordão solto, ofereça um biscoito.

Depois, tente dar alguns passos para ver o que acontece. Certamente ele puxará novamente. E neste momento, você para de andar e mostre quem está controlando a situação. Sempre que você iniciar uma caminhada e o cão deixar a coleira solta, ofereça um biscoito como recompensa.

Você também poderá usar o método clicker de adestramento, que basicamente faz o cão entender como um sinal quando você emite um som. Neste caso, você emitira o som toda vez que o cão deixar a coleira solta e, consequentemente, presenteie-o com um biscoito canino.

Técnica do “burro e da cenoura”

Esta técnica parece ofensiva, mas não é. Basicamente ela consiste em você oferecer petiscos ao cachorro de forma equilibrada durante o percurso, segurando-os em frente ao focinho deles. É como se eles tivessem de seguir a comida para consegui-lá. E o seu trabalho é manter o alimento a uma distância que seja coerente para que o cão não puxe a coleira.

A cada 50 ou 100 metros, você poderá recompensar o cão com um biscoito. Com o tempo, ele condicionará a mensagem e passará a caminhar somente a determinado espaço de você. Ou seja, torna o processo de ensinamento muito prático para o animal.

Você precisará de calma

Ensinar um cão não é fácil. Mesmo um cão adestrado, muitas vezes requer tempo para que adquira o condicionamento necessário de comportamento. Por isso, você precisa manter a calma e a tranquilidade. Lembre-se que ele é um animal e não possui a racionalidade humana. Assim sendo, dê tempo ao cachorro para que ele consiga aprender e se adequar as situações. Não force, não brigue, não ofenda-o e muito menos use da violência. Boa sorte.