Em julho de 2016 nós contamos para vocês aqui no Portal do Dog sobre o caso de um cachorrinho bastante fiel que estava já há oito meses esperando na porta de um hospital por seu tutor, que havia falecido no local.

O cachorro vivia com um morador de rua que passou mal e precisou ser levado de ambulância para o Hospital Ruth Cardoso, em Santa Catarina. Muito apegado ao tutor, o cão seguiu a ambulância e ficou do lado de fora, na porta do hospital por onde o homem entrou.

O cãozinho passou cerca de três anos vivendo ná área externa do hospital esperando por seu tutor falecido. (Foto: Reprodução / RBS TV / Luiz Souza)

Infelizmente, o tutor do cachorrinho morreu, mas Negão, nome que recebeu dos funcionários do hospital, não saiu da porta do local e nem perdia as esperanças de ver seu amigo humano novamente.

Funcionários informaram que sempre que escutava uma ambulância chegando com a sirene ligada, ele corria para ver se o seu humano estava ali.

Esta semana, depois de passar cerca de três anos esperando o seu melhor amigo sair do hospital, o cãozinho faleceu. Ele foi atropelado e morreu quase na hora. Segundo informações de pessoas que estavam no local no momento do acidente, o motorista não viu o animal, que estava pegando sol no espaço por onde os carros transitavam, mas ao sentir o impacto parou para ajudar, porém Negão morreu rapidamente.

Durante os três anos que passou vivendo no pátio do hospital, Negão foi cuidado pelos funcionários do local, de quem ele sempre recebia muitos mimos e carinhos. Uma ONG fez a castração do cão e auxiliava com vacinas, banhos e ração.

Negão foi atropelado de forma acidental e morreu rapidamente. Ele foi enterrado no pátio do hospital. (Foto: Reprodução / RBS TV / Luiz Souza)

O cachorro até chegou a ser adotado, mas sempre fugia da nova casa e voltava para o hospital, sempre na espera de reencontrar seu tão amado humano.

A pedido dos funcionários que cuidavam de Negão, o animal foi enterrado no pátio do hospital. De acordo com informações do próprio hospital, a equipe de jardinagem, que costumava passar mais tempo com o cachorro, ficou muito abalado com o falecimento do animal.

A história de Negão nos mostra o tamanho da fidelidade e do amor que os cães podem sentir por seus tutores.

Fonte: O Povo / G1