Como surgiram os cachorros que conhecemos hoje.

por Samantha Kelly — publicado 1 ago 2012 - 1:49

Como surgiram os cachorros que conhecemos hoje.

 

Fim da última Era Glacial, 15 mil anos atrás. O Homo sapiens começava uma vida nova. Depois de passar mais de 100 mil anos vagando por todo canto, em busca de animais para caçar e vegetais para catar, aprendeu a plantar. Era o início da agricultura. Agora os homens se juntavam em vilas. Eram as primeiras cidades do mundo. E, como toda cidade do mundo, elas eram rodeadas por lixo: restos de comida, frutas podres, ossos…Mas o que a gente via como dejeto era almoço grátis para vários bichos. Entre os ratos e baratas que se aproveitavam dos restos estavam os lobos – que até hoje frequentam lixões, tanto que os fotógrafos de natureza selvagem vão a esses lugares quando querem conseguir imagens dos animais (tirando os detritos do enquadramento, claro). Só que o lobo tende a fugir quando pessoas se aproximam. Um comportamento antissocial que não ajuda. Desse jeito, o bicho não conseguia ficar muito tempo perto de uma vila para comer nossas sobras. Isso até a lógica da evolução entrar em cena.

Os poucos lobos que nasciam sem ter medo de gente começaram a se alimentar melhor, já que não fugiam toda hora. Quem come melhor fica mais saudável, vive mais e faz mais sexo. Quem faz mais sexo deixa mais descendentes, passa seus genes para a frente. De carona, vão as características que fizeram o animal ter mais sucesso que os outros. No caso dos lobos comedores de lixo, a característica mais vital era uma só: não ter medo de gente.

Com o tempo (pouco tempo), já havia duas classes de lobos: os totalmente selvagens e os que viviam perto de pessoas, e que ficaram dependentes das aglomerações humanas para sobreviver. Além de ficarem mais amigáveis, esses bichos foram ganhando uma aparência bem distinta da dos lobos. Estes últimos têm corpo forte e cérebro relativamente avantajado. São duas coisas essenciais para um predador que come búfalos e prepara estratégias de caça em grupo, mas são uma bagagem inútil para um bicho que se profissionalizou em comer restos. Corpo e cérebro grandes eram desvantagem para ele, já que exigem bastante energia para funcionar. Muita energia significa muita comida (como nós, cabeçudos, sabemos bem). E quem precisava de muito mais que os outros para viver acabava morto de fome. Roer osso, afinal, é bem menos nutritivo que abocanhar um filé de bisão. Quem levou mais vantagem, então, foram os mais mirrados e de cérebro menor.

E a transformação desse novo bicho não parou por aí. Continuou firme, e agora se aproveitando de uma fraqueza nossa: adorar filhotes. Qualquer filhote de mamífero parece agradável para nós. Pode olhar no Google Images: até os morcegos nenéns são uma fofura só. Os olhos grandes e os traços delicados dos recém-nascidos de outras espécies nos fazem identificar neles as características dos nossos bebês. Afinal, todos nós, mamíferos, temos um único tataravô, um ancestral comum parecido com um rato que viveu há 60 milhões de anos. Já que somos praticamente irmãos de qualquer coisa que dê de mamar, gostamos naturalmente dos filhotes deles.

E eles de nós também. Se você pegar para criar um filhote de leão, de urso ou de lobo, ele vai ser uma graça no início da vida; tão brincalhão e inofensivo quanto uma criança humana. Por isso mesmo muita gente cria filhotes de animais selvagens como bicho de estimação. O problema é quando ele virar bicho grande: sempre vai parecer (e ser) algo ameaçador. Você não vai querer um leão adulto no seu apartamento com a boca escancarada, cheia de dentes, esperando você chegar. Nem ele vai querer estar lá.

Mas aqueles lobos amigáveis queriam. Então aconteceu com eles uma coisa inédita no mundo animal. Os que tiveram mais sucesso – os mais bem alimentados, mais sexualmente ativos e com mais decendentes – foram os que continuaram com jeitão de filhote mesmo depois de adultos. Eram, afinal, os que mais agradavam os humanos. Nós enxotamos os lobos mais ferozes e paparicamos os mais dóceis, que passaram a receber comidinha na boca a vida inteira. Assim eles enganaram nossos instintos.

E suprimiram os deles: essa nova espécie, que 15 mil anos depois ganharia o nome de Canis familiaris, se separou totalmente do Canis lupus (o lobo propriamente dito). Desaprendeu a caçar para comer e se especializou em ganhar a comida de seres humanos. Em vez de formar matilhas, preferiu virar membro das nossas famílias. Desenvolveu o latido para chamar nossa atenção. E os instintos que sobraram foram os que parecem mais agradáveis para a gente. Por exemplo: sabe quando o cachorro vai lamber a cara do dono? É porque as lobas regurgitam comida para seus filhotes. Os cachorros não comem da boca de suas mães, mas mantiveram esse traço de comportamento selvagem-infantil com os humanos, já que para nós a coisa parece uma tentativa de beijo – não de comer vômito. Bom, na verdade sobraram mais instintos de lobo. Para caçar, por exemplo, o lobo combina várias habilidades inatas, que estão escritas em seus genes: procurar a presa, cercá-la, matar e trazer carne para o resto da matilha. Cada uma é um instinto independente. E todos precisam estar em sintonia para a caçada dar certo. Mas os cães não precisam caçar. Eles conseguem sua comida com as pessoas. Então alguns dos genes que eles herdaram dos lobos acabaram desligados. É por isso que alguns cães adoram perseguir e intimidar outros animais, por exemplo, mas não têm o instinto de matá-los. Isso também explica o comportamento daqueles cachorros que ficam correndo atrás dos carros, mas não sabem o que fazer quando um automóvel para.

À primeira vista, essas crises de identidade podem parecer inúteis. Mas aprendemos a usá-las a nosso favor. Primeiro na caça: nada mais eficiente para o homem pré-histórico que sair para caçar com um bicho que sabe perseguir presas como se fosse um lobo, mas que, em vez de comê-las, só “traz a carne de volta para a matilha” – no caso, para os homens.

Por volta de 9000 a.C. surgiria aquela que provavelmente é a maior revolução na história da economia mundial até hoje: a criação de gado – que permitiu o acesso a quantidades antes inimagináveis de comida. E os instintos tortos dos cachorros foram fundamentais nesse mundo novo. Os que tinham mais jeito para cercar presas foram usados para conduzir rebanhos. Os mais agressivos eram ensinados a proteger as ovelhas e bois como se fossem sua própria matilha, defendendo-os inclusive de lobos.

A partir daí, essas habilidades viraram o grande critério de seleção entre os cães – os que mais se davam bem entre as pessoas eram os que trabalhavam melhor em suas áreas. Com mais comida e abrigo que os outros, esses eram os que passavam seus genes adiante com mais facilidade. Depois o homem acelerou o processo por conta própria, colocando os indivíduos mais eficientes (ou mais elegantes ou mais fofos) para se reproduzir entre si. Isso dividiu a espécie dos cães em tipos bem distintos, coisa que hoje chamamos de “raça”. Na Roma antiga, por exemplo, já havia raças de cães de guarda, de pastores, de cachorrinhos de colo… E o bicho deixava definitivamente de ser mais um animal para se tornar membro da humanidade. Mas a história dos cachorros como os conhecemos hoje ainda nem tinha começado.

 

Fonte

Métodos Mais Eficazes Para Se Livrar das Pulgas do Seu Cachorro

por Handreza Hayran — publicado 19 fev 2019 - 11:10

As pulgas têm um ciclo de vida complexo de quatro estágios. Se você quiser se livrar das pulgas do seu cachorro e impedi-las de voltar, você deve abordar todas as etapas desse ciclo.

Pulverizar uma vez não é suficiente. Apenas tome cuidado para não exagerar no controle da pulga: muitos produtos tóxicos dentro e ao redor do animal podem ser prejudiciais ou mesmo fatais.
Controle de pulgas do seu cachorro

 » Read more about: Métodos Mais Eficazes Para Se Livrar das Pulgas do Seu Cachorro  »

Descubra Quais os 10 Medos e Fobias do Cachorro

por Handreza Hayran — publicado 18 fev 2019 - 7:46

medos e fobias do cachorro

Os cães podem sofrer de vários medos e fobias diferentes. Essas fobias podem ter uma variedade de causas, incluindo a falta de socialização precoce, genética ou uma experiência negativa. Os medos e fobias do cachorro  podem levar a sinais como encolher-se, tremer, babar, latir, ter um comportamento destrutivo e, em alguns casos, agressão.
Medos e fobias do cachorro
1. Medo do trovão

Astrofobia é um dos medos e fobias do cachorro. É o medo do trovão ,

 » Read more about: Descubra Quais os 10 Medos e Fobias do Cachorro  »

Dicas para um aniversário de cachorro criativo e acessível

por Maluh Bastos — publicado 15 fev 2019 - 20:10

Cachorros de raças diversas com chapéus de aniversário

Todo mundo ama uma festinha de aniversário e, com os dogs, parece que não está sendo diferente. Apesar de não saberem dos preparativos e de quando será a tão esperada data, no dia, é visível a alegria dos pets em uma festa em que tudo foi pensado exclusivamente para a diversão e, por que não, para o apetite deles. A indústria para aniversário de cachorro só cresce no Brasil todo e o segmento anda movimentando desde o buffet especializado nos dogs até as decorações e animações voltadas para os cães.

 » Read more about: Dicas para um aniversário de cachorro criativo e acessível  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Métodos Mais Eficazes Para Se Livrar das Pulgas do Seu Cachorro

por Handreza Hayran — publicado 19 fev 2019 - 11:10

As pulgas têm um ciclo de vida complexo de quatro estágios. Se você quiser se livrar das pulgas do seu cachorro e impedi-las de voltar, você deve abordar todas as etapas desse ciclo.

Pulverizar uma vez não é suficiente. Apenas tome cuidado para não exagerar no controle da pulga: muitos produtos tóxicos dentro e ao redor do animal podem ser prejudiciais ou mesmo fatais.

Controle de pulgas do seu cachorro

Seguir as instruções da embalagem é essencial quando se usa produtos e medicamentos sem receita médica.

Use somente produtos nas espécies para as quais eles são destinados. Não use vários produtos ao mesmo tempo sem consultar seu veterinário.

Mesmo seguindo as instruções dos rótulos de tratamento de pulgas do seu cachorro, os animais podem ter reações adversas aos produtos de pulgas.

Ligue para o seu veterinário imediatamente se você notar o seu animal se comportando de forma estranha ou com algum tipo de irritação na pele.

Banhos de pulgas para animais de estimação

Um shampoo de pulgas, ou “banho de pulga”, é um bom primeiro ataque as pulgas do seu cachorro. Mas é importante perceber que um shampoo de pulgas não se destina a um controle duradouro.

Os xampus são eficazes apenas por um dia ou menos. Eles deixam pouca química residual no animal quando usados ​​adequadamente.

Quando usar remédio de pulgas

Remédio de pulgas são fortes para livrar os animais não só de pulgas, mas também de ácaros e carrapatos. Os remédios só são recomendados quando absolutamente necessário, como no caso de uma infestação por ácaros.

As imersões duram aproximadamente duas semanas, e isso é uma enorme quantidade de resíduos químicos para deixar em um animal, portanto, use com cuidado, quando outras opções não foram eficazes.

Coleiras anti-pulga

As coleiras de pulgas funcionam de duas maneiras: emitindo um gás tóxico (para pulgas, de qualquer maneira) ou sendo absorvido pela camada de gordura subcutânea do animal afetado.

O gás geralmente só é eficaz na área imediata da cabeça e do pescoço. Os colares que absorvem a gordura subcutânea são muito mais eficazes. Os colares de pulgas são eficazes para pulgas adultas, mas não são muito úteis para larvas.

Controle de pulgas do seu cachorro na sua casa e quintal

pulgas do seu cachorro

Apenas cerca de 10 por cento da população de pulgas (principalmente os adultos) estão em seu animal de estimação. Os ovos de pulgas, larvas e os poucos adultos que residem no carpete, cama e áreas de vida compõem cerca de 90 por cento da população de pulgas. Negligenciar esta população de pulgas irá garantir que o problema da pulga continue e se agrave com o tempo.

Para controlar as pulgas em sua casa e quintal, você precisará de um ataque coordenado. Veja como fazer:

  • A aspiração diária é crucial para a erradicação geral da pulga. Isso vai fazer você se livrar de pulgas adultas, ovos e larvas.
  • Lave todas as roupas de cama, roupas e móveis removíveis, pelo menos uma vez por semana.
  • Aplique inseticida em sua casa. Siga todas as instruções com muito cuidado. Remova todos os animais de estimação, pessoas e cubra toda a comida no ambiente antes de aplicar inseticida.

Se você suspeitar que seu animal está doente, ligue para seu veterinário imediatamente.

Para questões relacionadas à saúde, sempre consulte seu veterinário, pois eles examinam seu animal de estimação, conhecem o histórico de saúde do animal de estimação e podem fazer as melhores recomendações para seu animal.

Descubra Quais os 10 Medos e Fobias do Cachorro

por Handreza Hayran — publicado 18 fev 2019 - 7:46

medos e fobias do cachorro

Os cães podem sofrer de vários medos e fobias diferentes. Essas fobias podem ter uma variedade de causas, incluindo a falta de socialização precoce, genética ou uma experiência negativa. Os medos e fobias do cachorro  podem levar a sinais como encolher-se, tremer, babar, latir, ter um comportamento destrutivo e, em alguns casos, agressão.

Medos e fobias do cachorro

1. Medo do trovão

Astrofobia é um dos medos e fobias do cachorro. É o medo do trovão , e é uma fobia muito comum em cães. O grau desse medo pode diferir entre os cães. Alguns podem ter apenas um leve medo de trovão.

Neste caso, um cão pode tremer ligeiramente ou você pode notar orelhas achatadas e uma cauda dobrada durante uma tempestade. Outros cães podem ter uma fobia mais grave que os leva a se esconder, a se tornarem destrutivos ou a perder o controle de seus intestinos ou da bexiga.

Uma curiosidade interessante é que os cães também podem sentir uma tempestade bem antes de você conseguir detectá-la. Esta é a razão pela qual muitos donos de cães relatam ter visto seus cães mostrarem sinais de medo por vários minutos ou mais antes que a tempestade realmente aconteça.

2. Medo de fogos de artifício

medos e fobias do cachorro

Um medo de fogos de artifício é mais um dos medos e fobias do cachorro. Semelhante ao medo das tempestades, os sons altos e imprevisíveis e a luz dos fogos de artifício fazem muitos cachorros tremerem de medo.

Cães com uma fobia grave de fogos de artifício podem precisar de tratamento com medicação anti-ansiedade ou sedativos.

3. Medo de ser deixado sozinho

O medo de ficar em casa sozinho é chamado de ansiedade de separação. Cães que sofrem de ansiedade de separação tendem a exibir comportamento destrutivo assim que seus donos saem de casa. Outros sintomas incluem latidos excessivos quando deixados sozinhos.

Uma mudança no comportamento do dono do cachorro pode ajudar a aliviar os medos de um cachorro. Simplesmente fazendo alterações em seus hábitos antes de sair de casa. A dessensibilização, o processo de fazer com que o cão se acostume a ficar sozinho em casa, também pode ser benéfico para os cães que sofrem de ansiedade de separação.

4. Medo do veterinário

medos e fobias do cachorro

Não é incomum que os cães tenham medo de ir ao veterinário. A primeira exposição de um cão ao veterinário geralmente envolve cheiros estranhos, ser tratado de novas maneiras  e receber vacinas.

Não é de admirar que os cães possam facilmente ter medo de uma viagem ao veterinário. Se não houver outras fobias envolvidas, esse medo pode ser facilmente corrigido simplesmente levando um cão ao veterinário para algumas visitas sociais que não envolvem um exame.

5. Medo de andar no carro

Muitos cães têm medo de andar no carro. O medo é geralmente devido à falta de exposição precoce a passeios de carro ou experiências negativas em andar de carro, como ficar doente de carro, andar no carro para ser deixado em um abrigo ou apenas ir de carro para uma visita ao veterinário.

É possível superar o medo do seu cão de andar no carro, usando guloseimas e elogios para lentamente atrair o seu cão para o carro e, em seguida, trabalhar para fazer passeios.

6. Medo de subir e descer escadas

O dono de um cão pode não perceber que seu cão tem medo de subir e descer escadas até que seu cão se aproxime de um conjunto de degraus. Esta fobia é quase sempre devido a uma falta de socialização precoce .

Alguns cães podem ser persuadidos a sair do medo fazendo passos de subir e descer. Outros cães podem precisar aprender a subir escadas, literalmente, passo a passo.

7. Medo dos homens

medos e fobias do cachorro

Pode surpreender que as pessoas aprendam que é bastante comum que os cães tenham medo dos homens. Embora, em alguns casos, esse medo possa derivar de ser abusado por um homem, na maioria das vezes é devido à falta de socialização.

Tenha em mente que um cão com medo pode rosnar ou morder alguém como resultado desse medo.

8. Medo de estranhos

O medo de estranhos é semelhante ao medo dos homens, mas, neste caso, um cão pode ter medo de alguém que não conhece. Isso pode ser um problema difícil de ser superado porque é impossível ensinar seu cão a aceitar todas as possíveis novas pessoas.

É importante permitir que seu cão se aproxime de novas pessoas em seu próprio tempo. Forçar um cachorro temeroso a aceitar um estranho poderia forçar um cachorro a se tornar agressivo .

9. Medo de crianças

Esse é mais um dos tipos de medos e fobias do cachorro. Cães desenvolvem medo de crianças por várias razões. Uma é a falta de exposição precoce a crianças. Não é incomum que as pessoas recebam um animal de estimação antes de se tornarem pais.

A menos que você leve um filhote para uma casa com crianças , seu cão pode não ter a oportunidade de se socializar com elas. Cães também costumam ter experiências negativas com crianças. Enquanto as intenções de uma criança podem ser boas, um cão pode interpretar aberturas de afeto como uma ameaça.

Os donos de cães que estão lidando com um cão com medo de crianças devem consultar um treinador de cães ou um especialista em comportamento para trabalhar essa fobia.

10. Medo de objetos

Muitos cães desenvolvem um medo de objetos particulares: o aspirador de pó, decorações e brinquedos de criança. Muitas vezes, esse tipo de medo não é grande coisa, pois muitos objetos podem simplesmente ser removidos de vista. Em certos casos, no entanto, pode ser problemático.

Leia mais sobre porque os cachorros tem medo de Pet Shop.