Muita gente se pergunta se cachorro tem depressão e como ela pode se manifestar em nossos pets. Afinal, ela acontece como nos seres humanos? Os sinais são os mesmos? E como funciona o tratamento? Entenda tudo sobre estas e outras perguntas acerca de um tema tão importante. Para isso, acompanhe este guia completo.

Cachorro tem depressão?

Assim como os seres humanos, o cachorro tem depressão se, por multifatores, ele desenvolver a doença. Quando falamos em causas multifatoriais, nos referimos ao fato de que tudo depende de N questões, que podem estar atreladas tanto com o ambiente, quanto com o físico do cão.

Assim, as causas podem variar de pet para pet, e por isso precisamos ficar tão atentos aos sintomas, para que o tratamento seja iniciado o quanto antes.

Leia também: Cachorro tem ansiedade? Entenda tudo sobre o assunto!

Cachorro tem depressão

Cachorro olhando pra cima – Foto: Freepik

Quais as causas de depressão canina? E o que fazer quando o cachorro estiver com depressão?

Como mencionamos acima, as causas que fazem com que um cachorro tenha depressão podem variar bastante. Porém, existem alguns pontos que fazem com que tenhamos maiores gatilhos para a instauração do problema. Veja quais são e já comece a prevenir qualquer desconforto canino neste sentido:

Mudança repentina e abrupta no ambiente

O seu pet está acostumado, desde pequeno, a conviver em uma casa com um grande quintal. Lá, ele brinca, corre, se exercita e se cansa no decorrer dos dias. Porém, sem nenhum “aviso prévio”, ele acorda em um belo dia e percebe que passará um tempo em um novo ambiente. O motivo da mudança pode variar: viagem, mudança para novo endereço, etc.

Essa mudança abrupta no ambiente que o cerca pode deixá-lo completamente desconfortável com a situação. O pet, que antes estava acomodado em um espaço só seu, terá uma nova imensidão, do nada, para explorar e conhecer. E tudo isso piora se ele se sentir em “território inimigo”, ou seja, em um ambiente com outros cães.

  • O que fazer? Toda mudança de ambiente deve acontecer de maneira gradativa. Pois assim como nós não gostamos quando algo muda da água para o vinho, o pet também não tem uma boa experiência.

Perdas muito significativas

No universo dos sentimentos, ninguém gosta de perder. A sensação de perder algo é doloroso e extremamente difícil de aceitar. Nós, seres humanos, conseguimos exteriorizar nossas dores e perdas, através de lágrimas e palavras. Mas, e os cães?

Bem, eles não possuem uma linguagem, assim como nós. Por isso, conseguir viver um luto pode ser mais difícil, visto que ele não consegue ultrapassar as “etapas” que um ser humano consegue, através do raciocínio e do pensamento.

Com isso, quando o pet se depara com uma perda muito expressiva, ele poderá demonstrar comportamentos depressivos. E quando falamos em perdas, estamos falando de: perder alguém da família; perder outro pet ou, em casos mais leves, perder algum objeto ou espaço que gosta muito.

  • O que fazer? Não tem como repor algo que foi perdido, infelizmente. Porém, quando o cão enlutado está vivendo a sua dor, a atenção dada a ele precisa ser maior. O carinho, o cuidado e até mesmo as “conversas” precisam ser reforçadas, para que ele compreenda que apesar da perda, a vida continua e ele possui suporte emocional para viver.

Leia também nosso artigo sobre hepatite infecciosa canina.

Cachorro tem depressão

Cachorro sentado no gramado – Foto: Freepik

Chegada de alguém novo

Da mesma forma como as perdas são capazes de impactar a saúde mental do cão, o aparecimento de um novo membro na família também pode ser impactante. E quando falamos de novo membro, pode ser uma pessoa ou um pet.

Isso porque, assim como nós, o cachorro tem depressão e também tem ciúme! Além disso, pode se sentir deixado de lado quando há um novo alguém recebendo atenção da família. Isso costuma ser mais evidente em cães com dependência emocional, quando o dono está constantemente presente e dando atenção e, da noite para o dia, muda bruscamente a rotina, provocando sensação de “saudade” no pet.

  • O que fazer? Toda mudança deve ser gradativa, como mencionamos anteriormente. Pois se nós humanos que somos racionais não conseguimos lidar com uma mudança brusca, imagine os cachorros? Por isso, sempre que um novo integrante fizer parte da família, apresente-o com cuidado e aos poucos para o pet. E em caso de nascimento de um filho, acostume o pet com a sua ausência de maneira gradativa, antes do nascimento do bebê. Por exemplo: Saia de casa por mais tempo; volte mais tarde; enfim.

Punição no lugar de adestramento adequado

Adestrar um cão não é uma tarefa muito simples, a gente sabe. Tampouco será da noite para o dia que os problemas serão solucionados. Dessa forma, muitas vezes os donos de cães podem se sentir um pouco estressados e sobrecarregados com o fato de que o cachorro “parece não obedecer”. Com isso, caem no erro de provocar punições com xingamentos e até agressões físicas para com o cachorro.

Assim, ao invés de ele aprender o certo e o errado, ele simplesmente passará a ter medo de explorar as coisas. Deixará de ter vontade de fazer algo ou brincar, simplesmente por medo de ser agredido ou xingado. Consequentemente, diminui o seu ritmo de atividade saudável e acaba adoecendo.

  • O que fazer? Nunca, em hipótese alguma, bata no seu cachorro. O processo de adestramento pode ser longo e difícil, mas vale mais a pena do que simplesmente agredir o cão física ou verbalmente e, depois, vê-lo adoecido.

Leia também: Como lidar com um cachorro doente? Veja nossas dicas

Falta de atividades adequadas

As atividades físicas recorrentes, especialmente os passeios, são essenciais para que o cachorro mantenha o seu corpo ativo, e isso sabemos. Mas, você sabia que os exercícios físicos também são essenciais para o mantimento da saúde mental do pet? Pois é!

Quando o cachorro passa muito tempo preso em um ambiente limitado, ele passa a ser colocado diante de uma situação que ninguém gosta: o tédio. Assim, com o passar dos dias e a falta de estímulos empolgantes, o cachorro tem depressão por simplesmente não ter nenhuma atividade prazerosa em sua vida.

  • O que fazer? Cada cão, de acordo com a sua raça e porte, necessita de uma quantidade diária de exercícios. Mantenha essa rotina equilibrada de maneira saudável, para que o pet ative a sua mente e o seu corpo, garantindo mais saúde de vida.

Falta de vínculos, carinho e atenção

O cachorro tem depressão quando é deixado de lado e percebe que a sua existência não é algo tão requerido pelos seus tutores. Afinal, ele se sentirá sozinho se ficar em casa, o dia inteiro, sem nenhum tipo de interação.

A falta de vínculos com os humanos, somada a falta de carinho e atenção, poderá gerar uma angústia de desamparo e tristeza, fazendo com que a vida perca a graça para o pequeno companheiro de quatro patas.

  • O que fazer? Mesmo que a sua rotina seja muito corrida, tente sempre reservar algum tempo para se conectar emocionalmente com o seu pet. Fale com ele, brinque, dê algum mimo e encha-o de carinho. Não precisa ser o tempo todo… Mas ele precisa saber que você está ali por ele, tanto quanto ele está ali por você.
Cachorro tem depressão

Cachorro pedindo carinho – Foto: Freepik

Maus tratos

Sem dúvidas, esta é uma das piores causas de depressão canina. Os maus tratos, sejam eles de cunho alimentício, físico ou psicológico, podem acarretar efeitos nocivos e profundos na saúde mental do pet. E quando falamos de maus tratos, nos referimos a diversos fatores, como por exemplo:

  • Alimentação inadequada;
  • Hidratação escassa;
  • Falta de atenção e carinho;
  • Higiene pobre;
  • Falta de espaço para o pet viver e se desenvolver;
  • Agressões físicas e verbais;
  • Privação de sol e ambientes externos;
  • Entre outros.

Veja que os maus tratos podem aparecer mascarados em diversos contextos, e por isso precisamos dar uma atenção quando notamos que cães estão adoecendo.

  • O que fazer? Se você notar que o cachorro de algum conhecido está sofrendo maus tratos, denuncie! O pet não merece viver neste tipo de ambiente e tampouco ser um cachorro que tem depressão.

Lembre-se que todas estas dicas são apenas práticas que você pode adotar no dia a dia. Porém, caso os sintomas de que o cachorro tem depressão persistirem, não hesite em buscar a ajuda de um profissional qualificado, ok? Ele poderá prescrever um tratamento mais específico para o caso do seu pet.

Leia também: Barriga do cachorro fazendo barulho: Pode ser um problema grave?

Como saber se o cachorro está com depressão?

Entendida as principais causas e compreendido que cachorro tem depressão, vamos agora explanar os possíveis sinais que o pet pode nos dar quando ele está entrando neste quadro depressivo. São eles:

Falta de apetite e perda de peso

O cachorro tem depressão e passa a deixar de lado a sua refeição. E, mais do que isso, simplesmente nega aquele petisco ou lanchinho que tanto adorava. Pouco a pouco, sua apatia vai fazendo com que o mesmo perca peso, sem necessariamente ter elevado os exercícios físicos. E mais: pode perder peso justamente estando totalmente parado e sonolento.

Isolamento repentino

O pet não precisa ser aquele mais sociável e que fica grudado no dono o tempo todo. Porém, quando o isolamento ultrapassa os limites do “normal”, é preciso ficarmos alertas. O cachorro tem depressão e prefere se isolar, escondendo-se nos cômodos da casa e até mesmo ignorando os comandos e as chamadas do dono. Tudo isso pode estar acontecendo por conta da falta de vontade de interagir e brincar.

Olhar que demonstra tristeza

Quando você olha nos olhinhos do seu cachorro que tem depressão, ele demonstrará um olhar triste. Pode parecer superficial este sintoma, mas quem é pai/mãe de pet sabe como ele pode muito bem nos dar um sinal apenas pela forma que nos olha. Por isso, preste atenção no comportamento quando o cão interagir com você, e faça um comparativo com semanas ou meses atrás.

Comportamentos estereotipados (lambedura ou coceira)

Para tentar “extravasar” as dores, o cão pode desenvolver comportamentos estereotipados. Ou seja, comportamentos repetitivos. Dessa maneira, a lambedura e a coceira excessiva podem aparecer no dia a dia do pet. Atente-se para este sinal.

Apatia e sono recorrente

Em poucos dias o cachorro tem depressão e demonstra um sono recorrente, onde ele está o tempo todo cochilando pelos cantos da casa. Você até o acorda para alimentar ou comer, mas ele não demonstra muita empolgação e, mesmo se coma e brinque, volta a dormir assim que tem oportunidade.

  • Importante: Vale ressaltarmos que alguns destes sintomas podem aparecer em outros quadros clínicos caninos. No caso da apatia e sono, por exemplo, pode surgir conforme o pet envelhece. Lembre-se de sempre consultar o veterinário caso perceba mudanças repentinas no comportamento do cachorro.
Cachorro tem depressão

Tutora acariciando seu cachorro – Foto: Freepik

Como evitar a depressão no cachorro?

Para que um cachorro viva feliz e de maneira saudável, ele necessita de cuidados que ultrapassem apenas o âmbito físico. Afinal, assim como nós, o cachorro não depende apenas de água, comida, higiene e onde dormir. Mas sim, ele precisa sentir prazer em viver, e isso pode ser construído através de atividades empolgantes e, claro, amor e carinho.

Os cães precisam de atenção e vínculos emocionais para se sentirem mais felizes e ativos no mundo. Por isso, é preciso que você se mantenha por perto, na medida do possível, além de brincar e criar estratégias diárias de interação e diversão para o pet.

No caso de situações onde o cachorro passe muito tempo sozinho, algumas medidas podem amenizar as chances do desenvolvimento da depressão. São elas:

  • Crie um ambiente desafiador e divertido: Criar um ambiente que desperte a curiosidade, o cognitivo e a diversão no seu cachorro é essencial. O cachorro tem depressão, muitas vezes, por não encontrar graça alguma em sua volta. Por isso, disponibilize brinquedos, tarefas e espaço que inibem a sensação de abandono e tédio.
  • Dê atenção sempre que possível: Mesmo que o dia a dia seja corrido, procure sempre dar atenção nos momentos em que isso é possível. Assim, se você puder ficar apenas uma ou duas horas por dia em casa, procure interagir o máximo possível com o seu pet. E caso nem isso seja possível, cogite a possibilidade de contratar algum cuidador.
  • Cogite a possibilidade de uma boa companhia: O pet passa maior parte do tempo sozinho e você já não sabe mais o que fazer? Cogite um novo pet para a família! Eles poderão se divertir juntos, brincar e não se sentirão tão sozinhos. Porém, lembre-se da nossa dica no começo do artigo: Toda mudança deve ser gradativa. Pois apesar de haver boa intenção, a inclusão de um novo membro de maneira abrupta, poderá provocar o efeito rebote.

Lembre-se que além destas medidas, é preciso cuidar da higiene, alimentação, prática de exercícios físicos e cognitivos e atenção. Tudo isso servirá de suporte para que o cão não venha a ter depressão.

Leia também o nosso artigo sobre carrapato na orelha do cachorro.

Como alimentar o cão em depressão que não quer comer nada?

Quando o cachorro tem depressão, um sinal que pode surgir “da noite para o dia” é a sua evidente perda de apetite. Assim, tentamos, a todo custo, fazer com que ele ingira ração e água, mas apenas recebemos uma negação e até mesmo agressividade.

Por isso, medidas importantes precisam ser tomadas antes que o pet se desidrate ou fique desnutrido. Mas como auxiliá-lo? Bom, você pode tentar oferecer a comida úmida. Isso porque ela já terá nutrientes e água em sua composição, sendo estes fatores importantes para que o cão fique saudável e forte.

Além disso, a mudança de ambiente de forma sutil, a higienização dos potes e até mesmo uma pitada de mimos e atenção podem auxiliar. A comida caseira (adequada para pets!) também pode ser oferecida, tendo em vista que o aroma pode ser mais notável e apetitoso.

Porém, se mesmo com suas investidas o cão ainda não comer e nem beber, é preciso buscar auxílio veterinário antes que o problema se agrave e desencadeie outros efeitos na saúde canina.

cão olhando pra cima

Cachorro olhando pra cima – Foto: Freepik

Cachorro tem depressão – Qual a diferença entre desânimo e depressão?

Assim como o cachorro tem depressão, ele pode estar simplesmente demonstrando um sentimento de desânimo. Pois, como nós seres humanos, eles têm humor que pode variar de acordo com acontecimentos no ambiente, quanto questões internas do pet.

Por isso, antes de bater aquele “desespero” de que seu pet adoeceu, cuidado! Procure analisar a situação com mais cuidado e cautela, e lembre-se sempre de conversar com um profissional qualificado para que seja possível descartar as chances de depressão canina.

Mas, de qualquer forma, você pode considerar as diferenças entre desânimo e depressão, a fim de reconhecer qual o caminho que o pet está percorrendo. Veja abaixo:

  • Características do desânimo em cães: O cachorro demonstra apatia apenas em algumas situações, como por exemplo, quando você sai de casa; quando alguém briga com ele ou até mesmo quando ele sente alguma dor física. As reações de desânimo não são recorrentes, e normalmente acontecem depois de algo específico e mais explícito.
  • Características da depressão em cães: Neste caso, o cachorro demonstra apatia até mesmo para situações que antes eram prazerosas para ele. Além disso, não é possível constatar um gatilho imediato para o comportamento que demonstra tristeza. Ou seja, o cachorro tem depressão e humor deprimido por mais dias, e não apenas em momentos específicos e com causas aparentes. A depressão pode aparecer de maneira mais profunda, e costuma dar sinais de sua presença por dias e semanas a fio, enquanto o desânimo acontece de maneira mais pontual.

Perceba que a diferenciação é semelhante como acontece em humanos. Afinal, todos nós sentimos tristeza. O que difere a tristeza da depressão, é que a tristeza possui uma causa, mesmo que ampla, e é passageira. Enquanto que a depressão persiste mesmo sem nenhum motivo evidente para a sensação deprimida.

Cachorro tem depressão – O que fazer quando o cão estiver apenas desanimado?

Quando o cachorro tem depressão, vimos que diversas medidas precisam ser tomadas para que o pet recupere a sua qualidade de vida e tenha mais alegria em viver.

Porém, quando não é constatado este quadro, o que deve ser feito? Ou ainda: se o pet tem demonstrado estar mais sensível e desanimado nos últimos tempos, como podemos agir para evitar a depressão?

Para isso, você poderá considerar algumas dicas importantes que destacamos abaixo:

  • Entenda os gatilhos do desânimo e tente revertê-los ou extingui-los: Entender o que pode estar causando o desânimo no cachorro é uma boa pedida para garantir mais qualidade de vida e bem-estar para o pet. Assim, você consegue deter o motivador ou pelo menos diminuí-lo da melhor maneira. Por exemplo, se o motivo for as suas saídas para o trabalho, sabemos que não dá para simplesmente extinguir isso, correto? Mas, você pode fazer com que os momentos com o seu cachorro sejam mais intensos, no quesito de atenção e brincadeiras. Além disso, saia em outros momentos, mesmo que de maneira curta, para que o pet entenda que não importa quantas vezes você sai, você sempre vai voltar pra casa.
  • Dê atenção, carinho e cuidado para o seu pet: Procure demonstrar carinho e atenção nestes momentos delicados. O pet precisa compreender que você pode ser o amparo emocional dele. Porém, cuidado com os excessos, pois eles podem ocasionar o efeito rebote e fazer com que o cachorro crie dependência emocional com você, ok? Portanto, cuidado e atenção!
  • Experimente fazer pequenas mudanças na rotina: Às vezes o cachorro demonstra desânimo e falta de vontade por um simples motivo: tédio. Quando o cachorro está entediado, ele poderá não perceber tanta graça em sua volta, demonstrando um comportamento mais “triste”. Assim, se você quer que ele volte a sentir alegria e prazer em viver, experimente oferecer pequenas mudanças. Vale instalar novos brinquedos em casa, mudar os móveis de lugar para gerar curiosidade e desafio, e até mesmo levá-lo para passear em um momento nada cotidiano. Certamente ele terá uma “quebra” na rotina tediosa e se sentirá energizado outra vez (igual acontece com os humanos!).

Para ler depois: veja como limpar a orelha do cachorro.

cãozinho sentado

Cachorro sentado no chão – Foto: Freepik

Cachorro tem depressão – Como saber se o cão está feliz?

Agora que você já sabe tudo sobre cachorro que tem depressão, é hora de analisar o caminho inverso: como saber se o cão está feliz? Como saber se a rotina está adequada à saúde mental do pet?

Bem, para isso você pode usar alguns sinais como termômetro ao comportamento dos cães. Por exemplo:

  • Se ele demonstra alegria e felicidade quando você chega em casa;
  • Se ele gosta de brincar com seus brinquedos e possui uma vida ativa;
  • Se ele possui um soninho regulado, e alimenta-se bem;
  • Se ele não tem estereotipia, como lambedura ou coceira;
  • Se ele gosta de seguir você pela casa, demonstrando confiança e bem-estar.

Enfim! Se o seu cãozinho tem uma rotina feliz e equilibrada, significa que de fato ele pode estar sim feliz por viver com você. Lembre-se que um dos melhores termômetros para saber se está tudo bem (ou não), é a mudança brusca de comportamento.

Quando o cachorro tem depressão, ele passa a mudar a sua forma de interagir, comer e dormir. E o mesmo vale para outras doenças. Por isso, procure sempre manter o olhar atento sobre o seu melhor amigo, pois isso garantirá mais qualidade de vida e felicidade para ele. Acredite!