Você já ouviu falar ou mesmo já viu um cachorro terapeuta? Estes cães são realmente muito poderosos e, por isso, merecem um artigo bem completo aqui no Portal do Dog. Afinal, o trabalho deles é tão importante para as pessoas que, hoje em dia, são indispensáveis em lares de recuperação, hospitais e até na casa dos pacientes.

No entanto, quais são as terapias que os cães aplicam e quais são seus “métodos” de trabalho? Ou, ainda, quais são os pacientes que podem ser ajudados por terapia canina? É o que vamos entender a partir de agora. Portanto, continue lendo e saiba tudo sobre o assunto!

O que é um cachorro terapeuta?

cachorro terapeuta

Cão terapeuta – Foto: Freepik

Um cachorro terapeuta é um cachorro que ajuda outras pessoas a terem uma melhor qualidade de vida ou bem-estar durante algum tratamento específico. Somente a presença de um cachorro terapeuta no ambiente de tratamento, jé é o suficiente para melhorar o humor do espaço e, assim, deixar o paciente mais tranquilo.

Por mais que um cão, de maneira geral, possa aliviar as tensões de um ambiente, só o cão terapeuta tem o que é preciso para trazer benefícios ao paciente. Ou seja, o cão precisa ser preparado. Não basta só colocar o paciente em uma sala com um cachorro para que a terapia aconteça.

Além de bem limpos e escovados, os cães precisam receber vacinas e vermifugações em dia. Não podem comer qualquer coisa e tampouco podem ficar muito tempo no ambiente. Várias regrinhas precisam ser seguidas para que os efeitos da terapia, de fato, funcionem.

Diferente de um cão guia, que deve ficar o tempo inteiro com seu tutor necessitado, o cão terapeuta tem uma função pontual de aliviar tensões, estresse, ansiedade e pressão arterial. Por isso, o tratamento precisa ser muito assistido e feito com atenção.

Como é o processo de terapia com cachorros?

cachorro terapeuta

Cão feliz – Foto: Freepik

De maneira geral, o tratamento com um cão terapeuta acontece de formas assistidas. Ou seja, o cachorro não é deixado com o paciente por horas a fio. Ele fica o tempo suficiente para construir um ambiente calmo e tranquilo.

Nos dias de terapia, o cachorro chega até o ambiente em que o paciente está, fica por algum tempo e, depois, vai embora. Isto é importante para que os efeitos realmente sejam conquistados.

Além disso, o cachorro precisa ter uma alimentação balanceada (não pode comer carnes ou beber leite) e precisa receber todos os cuidados de higiene. Isto serve para que o ambiente fique absolutamente confortável para o paciente e, de fato, o cão possa transmitir carinho, afeto e presença ao enfermo.

O simples fato de passar a mão nos pelos escovados do cachorro, faz com que o corpo alivie a pressão arterial, estresse, ansiedade, etc. E isto, claro, é importantíssimo para o tratamento de várias doenças e também para melhorar o bem-estar e saúde mental do paciente.

Pacientes que um cachorro terapeuta pode ajudar

Na realidade, um cão terapeuta pode ajudar várias pessoas. Desde aquelas com doenças mais graves, até aquelas com condições mais leves.

Só que para dar tudo certo, é preciso agir de acordo com cada necessidade do paciente. Mas de maneira geral, estas aqui são algumas condições que um cão terapeuta pode ajudar a tratar:

  • Ansiedade;
  • Pacientes com câncer;
  • Pacientes com autismo;
  • Transtornos sociais diversos;
  • Pacientes hospitalizados;
  • Pessoas com deficiência na aprendizagem;
  • Pacientes com esquizofrenia;

Os cães terem este poder de terapia é realmente muito legal. O simples fato de proporcionarem bem-estar para uma pessoa doente, faz com que o corpo desta pessoa possa se concentrar, mesmo que por pouco tempo, em outra coisa que não sua enfermidade.

E isto é realmente muito importante para os tratamentos.

cachorro terapeuta

Cãozinho observando – Foto: Freepik

Todos os cachorros podem ser terapeutas?

Por mais que todos os cachorros possam, sim, nos fazer feliz no dia-a-dia, não são todos que podem ser terapeutas de pessoas enfermas. Afinal, é preciso que haja um equilíbrio muito grande no momento das visitas, para que a terapia não passe a ser algo ainda mais estressante para o paciente.

Ou seja, o cão não pode ser agitado, ele precisa ter um nível de treinamento bem elevado, precisa saber como interpretar comandos e outras coisas.

Caso contrário, o ambiente de terapia pode facilmente virar uma bagunça e, neste caso, os efeitos não serão percebidos – inclusive, um cão bagunceiro pode até gerar mais estresse e ansiedade no paciente.

Portanto, ao fazer uma terapia com cachorros, busque entender quais são as melhores raças para isso. Procure profissionais que já trabalham com cachorros treinados para esta prática e, certamente, os resultados poderão ser promissores ao longo do tempo.

É importante entender, também, que todos os processos de terapia são de longo prazo. Ou seja, por mais que o cão possa criar um clima excelente naquele exato momento, as melhorias podem ser ainda mais promissoras quando feitas por mais vezes.

Os cães são incríveis, não é mesmo?