Colocando o microchip em seu cachorro

por Samantha Kelly — publicado 22 ago 2012 - 23:12

O tamanho do Microchip é praticamente equivalente ao de um arroz.

 

Pontos positivos:

– Muitos cães e pets no geral que se perderam não voltam para casa por não terem uma identificação.
– Microchips são uma maneira de identificar seu pet permanentemente.
– Os microchips devem ser registrados em uma companhia especializada que irá reunir você e seu cão.
– Colocar o microchip é um procedimento simples e rápido que pode ser feito pelo seu veterinário.

 

Por que colocar o Microchip?

É recomendável que você identifique seu pet, mesmo que não haja a intenção de viajar ou deixá-lo ficar na rua. Até mesmo os cachorros que vivem em casa podem se perder e talvez nunca serem achados se não houver uma forma de identificação. Coleiras com identificação são comuns e efetivas, mas podem facilmente sair do corpo do pet. Por serem implantados embaixo da pele, o microchip é uma alternativa mais permanente.

O que é um Microchip?

O microchip é um aparelho eletrônico bem pequeno, do tamanho de um arroz, que usa ondas de rádio para transmitir informações armazenadas em um sistema. Essas informações são lidas com um scanner especial. Microchips de pets geralmente possuem um número de identificação. Eles não precisam ser carregados na energia e não possuem partes móveis. O material que compõe o aparelho é compatível com o corpo do animal, então infecções e rejeições acontecem raramente.

Após a injeção, o microchip fica envolto pelo tecido do local. Pode mover levemente, mas geralmente fica no lugar ou perto de onde aconteceu a incisão. Para ler as informações do chip, um scanner compatível é necessário. Diferentes empresas usam diferentes chips; entretanto, há scanners que podem ler todo tipo de chips.

 

O Procedimento

Muitas clínicas veterinárias possuem o equipamento para implantar e coletar as informações dos microchips. Cada um vem em uma seringa estéril. Para implantar, o veterinário insere a agulha bem abaixo da pele do animal, perto do ombro e empurra o êmbolo da seringa. O procedimento inteiro, como uma injeção normal, é muito rápido e não precisa de medicamento de dor nem anestesia.

 

Como o sistema funciona?

Quando um cão perdido ou machucado é levado para a emergência ou para um abrigo, ele pode passar pelo scanner em busca de um microchip. Se o cachorro possuir o aparelho, o scanner lê o número de identificação. Se o chip tiver sido registrado corretamente, o hospital ou abrigo pode fornecer o número para a companhia do microchip, essa responsável por manter os dados do dono. A companhia então entra em contato com o dono do cachorro e o pet pode ir para casa.

 

Registro de Microchip e manutenção

Para completar o processo, você precisa registrar o microchip do seu pet com a companhia responsável. Algumas companhias cobram um preço extra pelo registro. Caso a companhia não tenha suas informações,  não há como o número do registro fazer esse link entra o seu pet perdido e você.

Mantenha as informações fornecidas para a companhia do microchip (ex.: endereço, email e telefone) atualizadas.

É recomendado que em adição ao microchip, uma coleira com as informações do animal ainda seja usada, porque na tag pode haver a indicação que seu cão possui um microchip e qual o fabricante.

Durante o exame de rotina do seu pet, o microchip deve ser testado para garantir que ele continua funcionando. O uso do scanner não causa nenhum desconforto e não leva mais de alguns segundos.

Alguns países, como Estados Unidos e Inglaterra, já estão tornando obrigatório o uso do microchip em pets.

 

Texto traduzido por Portal do Dog: Fonte Vet Street

Levar o cachorro para praia – Dicas para fazer corretamente

por Camila Da Silva — publicado 5 set 2019 - 9:45

levar o cachorro para praia

Para levar o cachorro para praia, uma série de recomendações são necessárias. É claro que queremos ter nosso animal sempre por perto e, claro, fazê-los feliz saindo da rotina. No entanto, é preciso tomar cuidado para que problemas maiores não surjam. Por isso, antes mesmo de dar aquela volta no litoral, veja algumas dicas para fazer da forma certa!

Levar o cachorro para praia

A praia é um ambiente público. Diversas pessoas podem ocupar um espaço ou transitar livremente pela areia.

 » Read more about: Levar o cachorro para praia – Dicas para fazer corretamente  »

Vira-lata – Por que adotar um?

por Camila Da Silva — publicado 5 set 2019 - 9:45

vira-lata

O cão vira-lata é um dos mais conhecidos do Brasil. Dificilmente se encontrará um cão semelhante em outro lugar do mundo, pois as combinações nem sempre serão iguais. Desta forma, adotar estes animais é muito mais do que uma questão de gosto pessoal. Certamente você estará proporcionando uma vida muito melhor para eles! Acompanhe e entenda.

Vira-lata

O cão vira-lata é conhecido por ser o xodó do brasileiro. Ele é encontrado em diversas regiões do país e muitas vezes em condições nada positivas.

 » Read more about: Vira-lata – Por que adotar um?  »

A Dama e o Vagabundo: boa parte do elenco foi resgatada de abrigos

por Cristina Possamai — publicado 4 set 2019 - 9:45

A Dama e o Vagabundo Divulgação

Provavelmente, você já deve ter se emocionado com a história de amor canina da animação clássica A Dama e o Vagabundo. Portanto, há duas notícias boas para os fás ultimamente. A Disney está produzindo uma versão live-action (com cachorrinhos reais) e boa parte do elenco foi encontrada em abrigos para animais.

Vale salientar que o cãozinho que vai dar vida ao protagonista, o Vagabundo, foi salvo de um local bastante cruel.

 » Read more about: A Dama e o Vagabundo: boa parte do elenco foi resgatada de abrigos  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Levar o cachorro para praia – Dicas para fazer corretamente

por Camila Da Silva — publicado 5 set 2019 - 9:45

levar o cachorro para praia

Para levar o cachorro para praia, uma série de recomendações são necessárias. É claro que queremos ter nosso animal sempre por perto e, claro, fazê-los feliz saindo da rotina. No entanto, é preciso tomar cuidado para que problemas maiores não surjam. Por isso, antes mesmo de dar aquela volta no litoral, veja algumas dicas para fazer da forma certa!

Levar o cachorro para praia

A praia é um ambiente público. Diversas pessoas podem ocupar um espaço ou transitar livremente pela areia. Mas, será que os cães também podem? Depende. Há lugares que proíbem e há lugares que permitem. Levando em consideração os que permitem, isto não significa que está tudo liberado. Muito pelo contrário!

Levar o cachorro para praia muitas vezes é uma questão de bom senso. Há outras pessoas naquele espaço e você deve  considerar o fato de que elas podem não gostar da presença de animais. Por isso, tenha empatia e coloque-se no lugar delas para tomar atitudes corretas e educadas. Separamos uma lista de itens para levar em consideração. Acompanhe.

Dicas para levar o cachorro para praia

Foto: Freepik

O veterinário é indispensável

O primeiro passo para levar o cachorro para praia, é consultar-se com um veterinário. Assim sendo, manter a saúde do animal em dia não é só benéfico para ele, como também garantirá que a praia não fique contaminada com alguma bactéria ou vírus que o animal possa ter.

E o contrário também é válido: manter o cachorro imune a contração de doenças que outros cachorros deixaram no litoral! Há uma série de benefícios em levar o animal em um veterinário. Portanto, não hesite em fazê-lo!

Mantenha a higiene da praia

Esta é uma daquelas dicas que vale não só para praia, mas para vida. Manter a higiene do local que você levar seu cachorro é uma das suas tarefas obrigatórias. Portanto, tenha sempre saquinhos plásticos para limpar qualquer sujeira que o cão possa fazer e de preferência mantenha-o longe das outras pessoas. Leve sempre em consideração o exercício de empatia!

A praia é um local público e que precisa ser respeitado, assim como qualquer outro lugar da cidade. Manter organizado e limpo é o mínimo que você poderá fazer. Além de que isso ajudará a conter bactérias, o que é positivo para todos.

levar o cachorro para praia

Foto: Freepik

Levar o cachorro para praia exige identificação do animal

A praia muitas vezes pode ser um local cheio. Assim sendo, se você levar o seu cão para passear no litoral, certifique-se de identificá-lo com tipos de coleiras que sejam propícios para isso.

Além do nome, é importante ter um contato seu para quem o encontre possa rapidamente falar com você. Desta forma você protege seu cãozinho!

Não confie nos dotes de natação do seu cachorro

É claro que a natação muitas vezes é instintiva nos cães. Entretanto, não podemos confiar nisso. Se você levar o cachorro para praia e ele demonstrar interesse em entrar no mar, é importante tomar conta para que ele não se afogue. Principalmente se for a primeira vez dele!

Assim sendo, não podemos confiar que o cão sairá nadando como se fizesse isso há anos. Portanto, cuidado!

Veja também este artigo: Você sabia que nem toda a raça de cachorro pode nadar?

levar o cachorro para praia

Foto: Freepik

Evite que o animal beba água salgada

A água salgada já não é propícia para o ser humano beber. E para os cães, menos ainda. Geralmente eles poderão ter problemas estomacais e de digestão caso haja o consumo em excesso de água salgada. É importante entender que a curiosidade do animal poderá fazê-lo cometer erros. E é sua responsabilidade cuidar do animal de maneira responsável.

Levar o cachorro para praia exige protetor solar

Você sabia que existe protetor solar para cachorro? Este é um recurso que, quando você levar o cachorro para praia, precisa ser utilizado. Afinal, proteger a pele dos bichos é tão importante quando proteger a nossa. Você poderá passar principalmente na região das orelhas e focinho, onde a incidência do sol é mais forte na derme.

Assim sendo, compre sempre produtos indicado para uso animal. Produtos para uso em humanos poderão causar sérios problemas no cão. Muita atenção!

família com o cão no litoral

Foto: Freepik

Cuidado com a areia quente

Além do protetor solar, é importante tomar cuidado com a areia quente. Da mesma forma que pode queimar a sola dos nossos pés, poderá queimar a patinha dos cães. Assim sendo, caminhe sempre em locais frescos e de preferência não deixe o cão andar sozinho por locais que ele possa se machucar. Boa praia!

Vira-lata – Por que adotar um?

por Camila Da Silva — publicado 5 set 2019 - 9:45

vira-lata

O cão vira-lata é um dos mais conhecidos do Brasil. Dificilmente se encontrará um cão semelhante em outro lugar do mundo, pois as combinações nem sempre serão iguais. Desta forma, adotar estes animais é muito mais do que uma questão de gosto pessoal. Certamente você estará proporcionando uma vida muito melhor para eles! Acompanhe e entenda.

Vira-lata

O cão vira-lata é conhecido por ser o xodó do brasileiro. Ele é encontrado em diversas regiões do país e muitas vezes em condições nada positivas. Por mais que este cão seja extremamente dócil e amável, nem sempre ele terá um lar da forma que merece.

A irresponsabilidade de muitas pessoas faz com que a proliferação de animais aconteça em massa nas ruas de um país que ainda não é desenvolvido como outros lugares. E este é justamente o ponto que merece atenção: o cachorro não tem culpa! Por isso, listamos alguns motivos pelos quais adotar um animal em situação de risco e abandono é um ato louvável. Acompanhe.

cachorro feliz

Foto: Freepik

Cada personalidade será única

Antes mesmo de adotar um cachorro, uma série de pesquisas são feitas. Desde a raça até os estilos de comportamento. Tudo para adequar o cachorro a uma rotina desgastante e corrida que muitas vezes atrapalham o desenvolvimento de uma relação mais saudável entre tutor e animal.

Desta forma, o cão vira-lata poderá trazer um diferencial enorme neste sentido. Estes animais possuem uma personalidade extremamente cultivável. Ou seja, eles se adaptam a qualquer situação (e podemos ver isso, infelizmente, na rua!). Por isso, se você estiver buscando um cachorro que vá ser especial, considere o vira-lata.

Ele muitas vezes é esquecido pelos humanos por conta de associar a “falta de raça” ou mesmo a situação de rua. O que é extremamente deplorável, pois o que poucos enxergam é que ali há uma vida com sentimentos, dores e amores. E tudo que eles precisam, muitas vezes, é uma oportunidade para provar isso.

O adestramento é flexível

Sabemos que o adestramento de cachorro é um ponto fundamental para que os animais possam viver mais felizes e saudáveis. Desta forma, outro ponto a ser exaltado do vira-lata é justamente a situação da flexibilidade. Como o cruzamento de várias raças acaba deixando alguns traços de lado, praticamente tudo que você ensinar para o vira-lata, ele acatará.

vira-lata

Foto: Freepik

É claro que isto não é uma regra, pois dependerá de animal para animal. E também o profissionalismo do adestrador é importante. Mas o ponto que queremos que você entenda é que o cachorro é feliz com o que tem. E uma educação básica muitas vezes será o suficiente para que o cão respeite e se comporte durante muitos anos.

Muitas vezes eles são abandonados

Este é um dos fatores mais óbvios: o cão vira-lata não é acostumado a ter uma “vida boa”, pois geralmente são abandonados ou muitas vezes já se criam na rua! E este motivo é o suficiente para você fazer um exercício de empatia e constatar facilmente que eles merecem (e precisam) ser adotados.

É claro que tirar um cão da rua é uma atitude digna, seja lá qual cão for. No entanto, é muito mais nítido encontrar os vira-latas vivendo em condições tristes. Além de eles mesmos estarem desconfortáveis e infelizes, a chance de continuarem procriando e  o problema aumentar é grande. E você poderá fazer parte dessa solução, caso leve para casa estes animaizinhos.

cachorro de raça

Foto: Freepik

O vira-lata merece carinho e conforto

Quem foi que disse que os vira-latas não merecem conforto e carinho? Esta é a dica mais importante de todas. Pois ela é suficiente para que você entenda que retirar um cachorro de condições precárias é uma atitude nobre. Como você sabe, os cachorros possuem sentimentos assim como nós, humanos.

E quando eles começam a viver em situações de risco, a felicidade deles decai muito. O que faz uma série de outros problemas ocorrem, como a baixa imunidade e a contração de doenças. Eventualmente, os que sobrevivem na rua, ficam por muito tempo com fome, com medo e sem um lugar digno para ir.

E isto é comovente, pois nenhum cachorro merece tamanha tristeza. Seja lá qual raça for. Portanto, antes de escolher a raça mais nobre e mais cara do mercado simplesmente por ego ou status (e não há problema nisso!), pense que há outros seres que também precisam de amor e carinho que você está disposto a dar!