A primeira reação que temos quando nossos pets passam mal é de querer ajuda-los fornecendo a mesma medicação que tomaríamos em caso de dor, vômito e diarreia por exemplo. Mas será que isso está correto?

Devemos levar em conta que os animais possuem particularidades com relação à espécie e raça, e que nossos medicamentos podem agravar a situação, causar intoxicação e ate mesmo levar a óbito. Na rotina clínica atendemos intoxicações por medicamentos que podem ser desde alergias de pele até mais graves como úlceras, gastroenterite, alterações neurológicas como convulsões e reações irreversíveis para o organismo como insuficiência renal aguda, hepatites, entre outras. Devemos lembrar também de manter nossos medicamentos de uso contínuo fora do alcance dos animais, já que cães curiosos por natureza podem ingerir.

Automedicação em cachorros

Hoje em dia no mercado de produtos pets, mais propriamente de fármacos, podemos achar uma variedade de compostos já formulados de acordo com o peso e espécie e assim evitar a superdosagem e a administração incorreta.

Abaixo serão listados alguns medicamentos proibidos para cães e gatos que possivelmente encontramos em casa. E lembre-se, pode ser uma boa intenção querer ajudar nossos bichos de estimação por conta própria, mas o melhor a se fazer é procurar o médico veterinário diante de qualquer problema.

– Princípios ativos proibidos para gatos: ácido acetilsalicílico, paracetamol, diclofenaco sódico, ibuprofeno, peróxido de benzoíla.

– Princípios ativos proibidos para cães: diclofenaco de potássio, diclofenaco de sódio entre outros.