Afinal, será que o cachorro sabe quando errou, ou será que isso é apenas um mito ao redor da convivência com o pet? Neste artigo, o Portal do Dog vai te ajudar a entender tudo sobre o assunto.

Uma vez que é muito comum que os cães, de maneira geral, façam aquela famosa “cara de culpado” depois que rasgam papel, roem uma almofada ou carregam um chinelo.

Isso é fofo e parece que os cães sabem exatamente o que fizeram. Mas na realidade, não é bem por aí. É muito longe de um entendimento sobre o que ocorreu – e a sensação tem a ver com você, tutor.

Portanto, continue lendo para entender tudo sobre o tema.

O cachorro sabe quando errou?

cachorro derrubou o pinheiro

Cachorro sentado depois de derrubar a árvore de natal – Foto: Freepik

Não. O cachorro não sabe quando errou. E a carinha de culpado que eles fazem nesse momento tem muito mais a ver com o que vai acontecer “depois”, do que com o que acabou de acontecer.

O cachorro não sabe quando ele cometeu um erro. Pra ele, roer um chinelo ou carregar uma almofada é apenas uma diversão de uma terça-feira a tarde qualquer. Ele não sabe que ele não pode fazer isso. Ele apenas sente essa necessidade e faz.

Ou seja, o cachorro está agindo por instinto, de maneira natural e como se aquilo estivesse certo.

Para o tutor, está errado. Mas par ao pet, está tudo bem – até que o tutor chegue em casa, se depare com a bagunça e solte aquela grosseira com xingamentos e as vezes até violência física.

Isso é terrível e, além de ser maus tratos, não ajuda em nada a fazer o cão entender que ele errou. Mas a carinha de culpa vem justamente depois dessas ações do tutor.

Entenda a seguir.

Por que o cachorro faz cara de “triste” quando errou?

O cachorro faz cara de triste quando errou a partir de uma série de motivos diferentes. Antes de mais nada, é preciso entender que o cachorro não sabe quando errou.

Por isso, sempre que você se perguntar se o cachorro sabe quando errou, saiba que não. Aquela cara de culpa não é o entendimento racional da situação. Ele não sabe que detonou a almofada ou que comeu a tira do chinelo.

A partir disso, você precisa considerar três pontos que fazem o seu cão fazer aquela carinha – que, para muitos tutores, é sinal de que ele está arrependido.

Veja:

  • Leitura corporal e auditiva.
  • Condicionamento de medo e frustração.
  • Sensação de que o tutor vai brigar.

Entenda a seguir.

O cachorro sabe quando errou

Bagunça causada pelo cachorrinho – Foto: Freepik

Leitura corporal e auditiva

A leitura corporal e auditiva são os principais atributos que fazem um cão ficar ou não com aquela carinha de triste. É a partir das reações do tutor que o cão percebe o que ele deveria ou não fazer.

Ou seja, a carinha de triste não necessariamente é um entendimento de que ele rasgou papel no chão. Mas sim, uma reação daquilo que o tutor fez ou faz.

Talvez, em um primeiro momento, o cão não tenha reação nenhuma depois que aprontou alguma coisa. Mas com o tempo, ele pode ter – vamos explicar o porquê.

Condicionamento de medo e frustração

Condicionamento: guarde essa palavrinha. É a partir do condicionamento que um cachorro pode ou não entender a aprender a fazer aquela carinha de culpado.

Por isso, sempre que você se perguntar se o cachorro sabe quando errou, saiba que não. Ele não sabe.

Mas ele condiciona a sua reação. Por isso, toda vez que você chega em casa e ele aprontou, a sua reação de estresse vai contaminar o dog. Com o tempo, ele vai absorver isso e começará a fazer a famosa cara de “triste”.

Sensação de que o tutor vai brigar

O cão sente quando o tutor vai brigar. E os cães odeiam que o tutor brigue. É algo muito desconfortável e que pode gerar estresse, ansiedade – e a famosa carinha de culpado.

Conforme você entendeu no tópico anterior, os cães condicionam a sua reação. Uma reação explosiva ao ver uma almofada destruída, vai gerar medo e pânico no dog.

E com o tempo, ele começará a fazer essa carinha toda vez que ele “apronta” algo. Ele não sabe que aprontou esse “algo”, mas ele sabe que você vai brigar: puro condicionamento!

Vale a pena brigar com o cachorro depois que ele errou?

Definitivamente, não. Não vale a pena brigar com o seu cachorro só porque ele fez algo de errado. Afinal, ele não sabe que fez algo errado e, por isso, brigar com ele não é nada recomendável.

Depois que o cão destruiu uma almofada, ele estará saciado. Afinal, ele estava com energia, precisava gastar e encontrou esse extravaso na almofada.

Logo, ele não fez por mal. E se você chegar em casa e brigar com ele, a confusão estará armada. Ele ficará desmotivado, triste e não vai ter um ambiente equilibrado pra viver.

Veja alguns problemas que o cachorro pode desenvolver se você brigar com ele:

  • Medo e ansiedade.
  • Desconexão com o tutor.
  • Frustração.
  • Confusão sobre o que pode e o que não pode.

A seguir, entenda sobre cada situação.

bagunça

Tutor chega em casa e se depara com bagunça – Foto: Freepik

Medo e ansiedade

O medo e a ansiedade são fatores determinantes para um cachorro fazer a carinha de triste. Ele vai se condicionar ao seu humor/briga e, com o tempo, ele ficará muito desconfortável com suas ações.

O resultado disso é um medo e uma ansiedade muito grande com relação ao tutor. E, vamos combinar? Essa não é a melhor maneira de criar um ambiente de respeito e com regras para o cão, não é mesmo?

Desconexão com o tutor

A desconexão com o tutor poderá ser sentida logo nos primeiras brigas após o cão fazer algo errado. A partir do momento que o tutor usa violência verbal (isso sem falar na física), o cão passa a ter medo do tutor. Logo, ele vai se desconectar.

Não queremos criar um cão desconexo e muito menos com medo da gente, não é mesmo? Por isso, existem outras maneiras de ensinar o cão que alguma coisa não está certa – como o reforço positivo (ensinaremos ainda neste artigo).

O cachorro sabe quando errou: Frustração

Brigar com o cachorro gera frustração pra ele. Afinal, o cachorro está sempre querendo agradar o tutor. Ele quer fazer parte da alegria da casa e quer sentir que está fazendo bem.

Logo, se o tutor chega em casa, vê a almofada roída e descarrega o estresse do dia de trabalho no cachorro pelo que ele aprontou, isso vai gerar uma carga muito grande de frustração.

O cão ficará triste, ansioso, com medo e poderá desencadear outros problemas de relacionamento. E você não quer isso, não é mesmo?

O cachorro sabe quando errou

Cão com medo olhando para o tutor – Foto: Freepik

Confusão sobre o que pode e o que não pode

A confusão mental de entender o que pode e o que não pode é muito grave. Por exemplo, se você chama o cão para o sofá e minutos depois manda ele sair, isso gera confusão mental no pet.

Ele vai ficar ansioso, estressado e não vai mais conseguir entender o que, de fato, quer o tutor. Ele poderá descontar essa ansiedade em roídas no chinelo,  você brigará com ele por isso e o ciclo recomeça.

Benefícios do reforço positivo para cachorros

Existem inúmeros benefícios do reforço positivo para cachorros. Ao invés de brigar e colher os resultados ruins que mencionamos nos tópicos anteriores, você deveria tentar reforçar situações positivamente.

Ao invés de brigar com o cão por ele roer a almofada, condicione ele a gastar energia com outras coisas.

Ele vai “esquecer” da almofada, pois sabe que vale mais a pena pra ele gastar energia com aquilo que você deu a ele – pois ele ganhará um petisco.

  • Condicionamento saudável.
  • O cachorro não fica ansioso.
  • A boa relação entre cão e tutor não é interrompida.
  • O cão aprende – e não sente medo.

Condicionamento saudável

Um dos benefícios mais interessantes do reforço positivo, é o condicionamento saudável. Ao invés de condicionar o cão a ter medo de você, condicione ele a fazer a coisa certa – com gasto de energia em outras coisas.

O cachorro sabe quando errou: O cão não fica ansioso

Brigar com o cachorro deixa ele triste e ansioso. Mas reforçar uma situação positivamente, não. Desde que você faça com cautela e segurança, o reforço positivo é fantástico para ensinar o que o cão pode ou não fazer.

A boa relação entre cão e tutor não é interrompida

É fundamental ter uma boa relação com o seu cachorro. Isso gera segurança para o pet e ele se sente bem e feliz. Condicioná-lo positivamente, portanto, é um bom caminho pra isso.

O cachorro sabe quando errou: O cão aprende – e não sente medo

Não queremos ter um cão que sinta medo e, por isso, nos respeite. Queremos ter um cão educado e adestrado. Ele será muito mais feliz e equilibrado dessa maneira.

Agora que você já sabe que o cachorro não sabe quando errou, cuide do seu dog!