Entrevista com a médica veterinária Paloma Bosso sobre enriquecimento ambiental

Saiba como o enriquecimento ambiental pode oferecer uma melhor qualidade de vida para o seu animal de estimação.

por Samantha Kelly — publicado 18 set 2015 - 8:01

Em um entrevista especial com a médica veterinária Paloma Bosso, integrante da Comissão de Ética, Bioética e Bem-estar Animal do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), conversamos sobre enriquecimento ambiental, e como esse conjunto de técnicas pode melhorar a qualidade de vida dos animais de estimação.

 

PdD) O que é o enriquecimento ambiental?

Enriquecimento ambiental pode ser definido como um conjunto de técnicas que visam melhorar a qualidade de vida de diferentes espécies de animais sejam elas domésticas ou silvestres. Na prática, a técnica, bastante oferecida aos animais mantidos em zoológicos, consiste em oferecer estímulos nos ambientes dos animais de forma a torná-los mais atrativos e dinâmicos. Este tipo de atividade visa então contribuir com o bem-estar dos animais, pois proporciona uma maior oportunidade de escolha, bem como estimula a exibição de comportamentos naturais.

 

PdD) Quais os principais benefícios?

Os principais benefícios decorrentes do oferecimento de itens de enriquecimento na rotina de espécies animais é oferecer gradualmente um ambiente mais complexo e interativo que proporcione desafios e estímulos mentais, sem os quais as mais variadas espécies podem encontrar-se entediadas ou até apresentarem comportamentos anormais. Ao contribuir com o aumento do bem-estar animal, o enriquecimento ambiental também promove benefícios a saúde física dos animais, pois reduz quadros indesejáveis de estresse na rotina destes bichos. Assim como os humanos, os animais estressados estão mais suscetíveis ao surgimento de doenças. Proporcionar uma boa qualidade de vida aos animais é então uma forma de garantir indiretamente uma boa saúde física também.

 

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

 

PdD) Qual o papel do médico veterinário no processo de enriquecimento ambiental?

O médico veterinário está diretamente envolvido na promoção do bem-estar dos animais. Sua atuação inclui além do atendimento clínico já conhecido, o estudo e monitoramento do comportamento destes animais. Este tipo de atuação médico-veterinária contribui com a melhora da qualidade de vida de pacientes mantidos nos mais variados cenários: em ambientes residenciais, fazendas, zoológicos e aquários.

 

PdD) Qual a melhor maneira para os tutores iniciantes em enriquecimento ambiental poderem adaptar seus lares e oferecer diferentes estímulos para cães e gatos?

Há diversas formas de enriquecer o ambiente de um animal, sendo cinco delas as principais: físico, social, sensorial, alimentar e cognitivo.

  1. Físico – consiste em inserir itens que possam promover um melhor conforto ambiental aos animais, como espaços para deitar, se aninhar, se esconder; 2. Social – consiste em promover uma interação social harmônica entre espécies diferentes ou entre indivíduos de mesma espécie; 3. Sensorial – este tipo de enriquecimento está relacionado aos cinco órgãos sentidos. Assim, podemos oferecer estímulos olfativos, auditivos, táteis, visuais ou gustativos, atendendo as necessidades individuais das espécies com as quais estivermos trabalhando; 4. Alimentar – a técnica de enriquecimento ambiental alimentar pode ser baseada na alteração no modo convencional de oferecimento de alimentos aos animais e 5. Cognitivo – consiste em estimular a capacidade cognitiva dos animais, através da manipulação de objetos que se assemelham a “quebra-cabeças” para obtenção de recompensas alimentares ou não.

 

Assim, a melhor maneira dos tutores iniciarem o oferecimento de diferentes estímulos para cães e gatos não precisa ser necessariamente voltada para a adaptação física dos seus lares; afinal há outros diversos estímulos, mas fáceis/simples e práticos, que podem ser primariamente oferecidos. Mais do que um ambiente demasiadamente equipado e uma variedade imensa de itens para brincadeiras a disposição dos animais, é a possibilidade de escolha que deve ser frequentemente presente, pois é exatamente esta condição que tende a proporcionar aos animais um maior grau de bem-estar animal.

Em outras palavras, costumo dizer que os lares não precisam ser exclusivos dos animais, afinal é importante existir uma convivência harmônica em um ambiente que seja tanto agradável para os seres humanos quanto os animais, mas manter uma rotina que permita manter os animais entretidos é um aspecto bastante desejável! Mais do que oferecer uma quantidade grande de itens para brincadeiras de uma única vez, e mantê-los de forma frequente no ambiente dos animais, é importante manter uma frequência de novidades.

 

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

 

PdD) Seria possível começar uma mudança e estimular os animais com materiais comumente encontrados em residências e simples mudanças de atitudes (como por exemplo, a forma que se oferece comida). Se sim, quais são as suas dicas?

É perfeitamente possível e extremamente desejável tanto utilizar materiais comumente encontrados em residência quanto modificar atitudes habituais que desfavorecem a promoção do bem-estar animal!

Costumo dizer que não necessariamente precisamos investir grandes recursos financeiros para as atividades de enriquecimento pois muitos materiais existentes em nossas residências, e/ou rotineiramente utilizados em outros ambientes podem enriquecer a vida de nossos animais. Rolos de papelão podem ser utilizados, por exemplo, para esconder alimentos secos (como rações) em seu interior.

Um outro exemplo são os blocos de gelo com alimentos que podem ser oferecidos no período do verão com parte de um alimento preferido do seu animal. Nesta atividade ele pode não só gastar tempo na obtenção deste alimento, mas também para se refrescar.

Num sentido amplo, as dicas gerais que costumo fazer para o oferecimento de itens de enriquecimento são:

  • Comece com estímulos gradativos, especialmente em tamanhos e graus de dificuldade, para evitar que os animais se assustem com os novos itens e por outro lado possam se sentir constantemente motivados a interagir;
  • Por outro lado é fundamental que se ofereça no mínimo um item por animal (em alguns casos mais de um) para permitir que todos tenham a possibilidade de inteiração e evitar possíveis disputas por um único item;
  • Optar por itens mais naturais possíveis é importante especialmente para evitar a ingestão de materiais artificiais que podem ocasionar corpos estranhos nos animais – este critério também vale para itens comercialmente adquiridos. Assim evitar objetos com partes artificialmente coloridas, ou com fios/cordas que podem promover um enforcamento ou aprisionamento de um membro, ou itens muito pequenos que possam se soltar e ser ingeridos é bastante recomendado;
  • Considerar o histórico de cada animal é fundamental. O que pode ser interessante para um animal nem sempre é desejável para o seu. Na dúvida sempre consulte um médico veterinário que atue nesta área.

 

Variar a forma como se oferece o alimento é, portanto, uma ideia sim de fácil implementação e que tende a estimular nos animais a busca por alimento, comportamento este tão corriqueiro no ambiente de vida livre. O forrageio, definido com o ato de explorar o ambiente na busca por alimento, é uma prática importante no repertório comportamental das mais variadas espécies, porém bastante reduzido quando os animais já recebem seus alimentos muitas vezes na forma de ração, ou ainda sem cascas ou sementes, cortados, e a disposição em seus comedouros e em horários fixos.

NãO havendo necessidade de busca pelo alimento o animal pode mostrar se entediado. Tanto que diversos estudos comprovam que animais que recebem simultaneamente parte de suas dietas de modo convencional e a outra de modo enriquecido, ou seja, com acesso dificultado, preferem trabalhar para obter seus alimentos. Este tipo de enriquecimento tende a ser o mais utilizado quando comparado com os demais pelo baixo custo, pela facilidade de oferecimento que proporciona e por ser considerado altamente motivador para os animais. No entanto não se trata de superalimentar os animais nem obrigá-los a desempenhar um certo tipo de comportamento para se alimentar. O objetivo é motivar, por exemplo, um cão a retirar sua ração de um tubo de PVC, com furos caso ele tenha interesse em fazê-lo.

 

PdD) Como o enriquecimento ambiental pode transformar a vida do pet moderno, que por vezes precisa enfrentar desafios em seu cotidiano, como a solidão por algumas horas do dia, o tédio e a falta de estímulos não só físicos, mas mentais?

Provavelmente as questões que requerem mais cuidados e atenção dos proprietários quanto à vida moderna dos pets são justamente estes mencionados que consistem em suportar as condições de um ambiente adverso em que muitos deles são mantidos. Digo adversos, pois muitos dos ambientes em que cães e gatos são mantidos atualmente são amplamente restritos em estímulos próprios para os animais e limitam-se a um contato de poucas horas com o ser humano. Tanto que na ausência de estímulos mentais, cognitivos ou ainda táteis e auditivos, muitos animais podem apresentar-se entediados e/ou estressados e apresentar comportamentos atípicos das espécies, como se lamber compulsivamente, dormir e comer em excesso ou ingerir fezes. O oferecimento dos itens de enriquecimento ambiental visa justamente promover esta oportunidade de interagir com itens variados sempre que os mesmos estiverem disponíveis a ele e sempre que o mesmo tenha este interesse. Promover aos animais um maior controle do ambiente em que eles vivem é a chave do sucesso para promover o bem-estar animal. Ainda que o bicho não queira interagir com o item no momento exato em que ele foi inserido, é fundamental que ele possa sentir esta oportunidade de interagir caso queira e no momento em que queira.

 

Foto: Paloma Bosso

Foto: Paloma Bosso

Olhos dos Filhotes de Cachorro: Em Que Estágio de Desenvolvimento Eles Abrem?

por Handreza Hayran — publicado 19 abr 2019 - 9:45

olhos dos filhotes

Conforme o filhote cresce, sua curiosidade faz dele observador atento. Os cães gostam de satisfazer a sua curiosidade, absorvendo o ambiente e observando o que se desenrola ao seu redor. Mas eles não nascem com essa habilidade. Os olhos dos filhotes ficam fechados e, até os olhos se abrirem, ficam cegos para o ambiente.

Por que os filhotes nascem com os olhos fechados? Que finalidade serve? E em que estágio de seu desenvolvimento os olhos dos filhotes se abrem para que possam absorver o ambiente e vivenciar o mundo ao seu redor?

 » Read more about: Olhos dos Filhotes de Cachorro: Em Que Estágio de Desenvolvimento Eles Abrem?  »

Como Fazer o Cachorro Parar de Morder?

por Camila Da Silva — publicado 18 abr 2019 - 9:45

Como fazer o cachorro parar de morder

Neste artigo, você irá aprender como fazer o cachorro parar de morder. Pois sabemos que por mais que muitas vezes possa ser de brincadeira, as mordidas podem podem sim incomodar. Porém, é importante saber que este processo pode ser um pouco lento, e precisará de paciência e dedicação para que realmente funcione. Acompanhe o texto para entender.

Como fazer o cachorro parar de morderComo fazer o cachorro parar de morder
Como fazer o cachorro parar de morder?

Antes de mais nada, podemos adiantar: o ato do cachorro morder,

 » Read more about: Como Fazer o Cachorro Parar de Morder?  »

Como Acostumar Dois Cachorros a Conviverem Juntos?

por Camila Da Silva — publicado 17 abr 2019 - 9:45

Como Acostumar Dois Cachorros a Conviverem Juntos

Uma dúvida que causa muita insegurança, é como acostumar dois cachorros a conviverem juntos. E é muito comum que as pessoas tenham este receio, visto que cães são muito territoriais e defensores de seus donos. No entanto, saiba que este processo pode não ser tão complicado quanto parece. Seguindo alguns passos, você conseguirá ter sucesso. Acompanhe para entender.

Como Acostumar Dois Cachorros a Conviverem JuntosComo Acostumar Dois Cachorros a Conviverem Juntos
Como acostumar dois cachorros a conviverem juntos?

A primeira coisa para entender como acostumar dois cachorros a conviverem juntos,

 » Read more about: Como Acostumar Dois Cachorros a Conviverem Juntos?  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Olhos dos Filhotes de Cachorro: Em Que Estágio de Desenvolvimento Eles Abrem?

por Handreza Hayran — publicado 19 abr 2019 - 9:45

olhos dos filhotes

Conforme o filhote cresce, sua curiosidade faz dele observador atento. Os cães gostam de satisfazer a sua curiosidade, absorvendo o ambiente e observando o que se desenrola ao seu redor. Mas eles não nascem com essa habilidade. Os olhos dos filhotes ficam fechados e, até os olhos se abrirem, ficam cegos para o ambiente.

Por que os filhotes nascem com os olhos fechados? Que finalidade serve? E em que estágio de seu desenvolvimento os olhos dos filhotes se abrem para que possam absorver o ambiente e vivenciar o mundo ao seu redor?

Por que os olhos dos filhotes permanecem fechados?

olhos dos filhotes

Biologicamente falando, bebês humanos nascem desenvolvidos e prontos para enfrentar o mundo. Mas esse não é o caso dos filhotes de cachorro.

No nascimento, o sistema nervoso central de um filhote ainda está em desenvolvimento, incluindo seus nervos ópticos. Como seus nervos ópticos não estão totalmente desenvolvidos, eles são delicados demais para a luz brilhante, e é por isso que os olhos permanecem fechados até que os nervos acabem de se desenvolver.

Não só os nervos precisam de mais tempo para se desenvolver, mas o próprio olho não está completamente formado quando um filhote nasce. Manter os olhos fechados permite que o olho se desenvolva com segurança, sem o risco de objetos estranhos (como sujeira ou poeira) entrarem no olho e causar uma infecção ou outros problemas de desenvolvimento.

Quando os olhos dos filhotes se abrem?

olhos dos filhotes

A maioria dos filhotes começa a abrir os olhos entre uma e duas semanas após o nascimento. Nesse ponto, o sistema nervoso central do seu filhote, os nervos ópticos e os olhos estão totalmente desenvolvidos.

Uma coisa a ter em mente:-o filhote deve abrir os olhos por conta própria. Você pode ser tentado a ajudá-los, mas deve deixar o processo acontecer naturalmente. As pálpebras do seu filhote se abrirão quando os nervos e os olhos estiverem prontos. Sendo assim, forçá-los a abrir mais cedo colocará o filhote em risco.

Quando falar com veterinário

veterinário

O processo de abrir os olhos virá fácil e naturalmente para a maioria dos filhotes. Mas você ainda deve ficar de olho nas coisas para ter certeza de que o processo está indo bem com o filhote.

Algumas bandeiras vermelhas que algo pode estar errado com o desenvolvimento do olho do seu filhote de cachorro incluem:

  • Inchaço sob a pálpebra. Se você perceber que há algum inchaço sob as pálpebras do seu filhote antes que ele se abra, pode ser um sinal de infecção.
  • Pus na área dos olhos. Se houver qualquer pus, corrimento ou sujeira nos olhos ou ao redor da área da pálpebra, também pode ser um sinal de infecção.
  • As pálpebras do seu cachorro não abrem por duas semanas de idade. Algumas raças levam mais tempo para abrir suas pálpebras do que outras. Mas se após duas semanas não abrir os olhos, isso pode ser um sinal de um problema de desenvolvimento.

Se você notar algum destes sintomas, marque uma consulta com veterinário. Ele será capaz de diagnosticar qualquer infecção ou problemas de desenvolvimento do olho e prescrever o melhor tratamento para o seu cachorro.

Como Fazer o Cachorro Parar de Morder?

por Camila Da Silva — publicado 18 abr 2019 - 9:45

Como fazer o cachorro parar de morder

Neste artigo, você irá aprender como fazer o cachorro parar de morder. Pois sabemos que por mais que muitas vezes possa ser de brincadeira, as mordidas podem podem sim incomodar. Porém, é importante saber que este processo pode ser um pouco lento, e precisará de paciência e dedicação para que realmente funcione. Acompanhe o texto para entender.

Como fazer o cachorro parar de morder

Como fazer o cachorro parar de morder?

Antes de mais nada, podemos adiantar: o ato do cachorro morder, é normal. Muitas vezes a mordida é uma diversão garantida para ele. Porém, não para o dono. Inclusive, pode se tornar insuportável com o tempo, pois caso seu cão acostume-se a morder você por qualquer motivo, pode ter certeza: ele vai adorar.

Isso geralmente acontece mais com cães filhotes, pois o que mais eles querem fazer, é brincar com você. E as mordidas são um jeito não muito carinhoso de eles fazerem isso. Há quem diga também, que eles gostam de morder pois os dentes estão em fase de crescimento, o que torna ainda mais prazerosa a brincadeira.

5 atitudes para você tomar que evitarão as mordidas

Agora que você já entendeu um pouco da motivação por parte dos cachorros em morder, podemos testar algumas técnicas e métodos que poderão ajudar a fazê-los parar de morder. Afinal, aprender como fazer o cachorro parar de morder pode ser demorado. Assim sendo, não espere resultados imediatos. Dar tempo ao tempo é fundamental.

  1. Mostre que você sente dores com as mordidas

Isso mesmo. Este é um dos pontos mais importantes para acostumar o seu cão de que determinadas ações machucam você. E acredite, eles não vão gostar de saber que você está se machucando. Cachorros são muito apegados aos seus donos e demonstram interesse pelos seus sentimentos. Logo, mostrar que as mordidas estão doendo ajudará no processo de fazê-lo parar com o tempo.

  1. Pare de brincar quando seu cachorro morder

Quando o seu cachorro estiver em estado de êxtase pura, ou seja, brincando, é o momento que ele mais se sentirá feliz. E isso poderá ser cortado pela raiz quando ele morder você. Experimente parar de brincar assim que ele morder. Com o tempo, ele assimilará que a diversão acaba quando ele pratica determinados atos. E isso poderá ajudar.

Como fazer o cachorro parar de morder

  1. Brigue com ele de maneira firme, mas não xingue

Assim como os cães ficam felizes quando seus donos brincam, eles também assimilam quando eles brigam. Ou seja, um método muito educativo, é falar com a voz firme para o cachorro parar de morder. Nunca xingue, apenas diga para ele parar de maneira dura. Estas ativações farão com que ele evite de morder você em longo prazo.

  1. Elogie e parabenize tudo aquilo que não envolve mordida

Assim como é importante você ser firme com ele quando precisar, também é importante elogiar e falar com uma voz em tom mais ameno quando ele fizer o correto. Da mesma forma que ele assimilará uma briga, ele assimilará algo positivo. E assim, seu comportamento é construído de maneira educada.

  1. Saia do ambiente em que o cão está quando ele morder

Quando você estiver brincando com o seu cão e ele estiver lhe mordendo, experimente deixá-lo sozinho brincando por um tempo. Apenas afaste-se e não demonstre mais vontade de brincar com ele. Se você fizer isso imediatamente após as mordidas, o cachorro entenderá que sempre que ele morder, você sairá. E acredite, tudo que eles mais gostam é da sua presença. E não a tendo, fará com que eles assimilem o que você quer.

Como fazer o cachorro parar de morder

Seu cachorro não é uma marionete

Estas sugestões podem funcionar muito bem no longo prazo. Entretanto, é muito importante que você entenda que seu cachorro não é uma marionete. Entender como fazer o cachorro parar de morder é muito mais complexo do que simplesmente uma receita pronta.

Envolve educação, muito treinamento e disciplina. E, claro, você terá de ter paciência com ele. Ainda mais se ele for filhote. Nunca exija muito em pouco tempo. Afinal, eles continuam sendo cães e tudo que eles mais querem, é aproveitar os momentos perto do dono, brincar até cansar e fazer companhia.

No entanto, o jeito deles representarem isso tudo, muitas vezes pode ser de um jeito que você não gostaria. O que é absolutamente normal. Entretanto, é importante respeitar o tempo do seu cão e educá-lo aos poucos.