Se você tem um cachorro cego ou mesmo se há a possibilidade de seu cão ter problemas oculares, é importante aprender como conviver com ele. Afinal de contas, a vida do cãozinho vai mudar e, consequentemente, a sua também.

Adaptações no ambiente e também na rotina são importantes.

Portanto, neste artigo, o Portal do Dog vai te ajudar a entender mais sobre o assunto. Afinal, os cães cegos podem ter uma vida tão saudável e divertida quanto a de um cão com saúde ocular. Só que com alguns ajustes e comportamentos diferentes do tutor.

Continue lendo para saber mais sobre o assunto.

cachorro cego

Cão deitado – Foto: Freepik

Como viver com um cachorro cego?

Para viver com um cachorro cego você precisa fazer vários ajustes no ambiente e também no modo de interagir e conviver com o cãozinho. Afinal de contas, se ele não enxerga nada ou se ele tem alguma deficiência de visão, é preciso criar situações favoráveis ao comportamento do animal.

De maneira geral, para viver com um cachorro cego, você precisará de muito amor e paciência. Afinal, o cãozinho pode perder toda aquela energia que ele tinha antes para correr e brincar.

O ritmo vai reduzir. O cão perde os estímulos visuais e, por isso, ele acaba deixando algumas atitudes de lado.

No entanto, ainda assim, ele terá seus instintos e estímulos olfativos e auditivos. O que são suficientes para que ele continue querendo brincar, passear, interagir e se divertir.

O seu cão cego possui limitação visual. Mas limitação de ânimo ele só terá se você não interagir ou não enriquecer o ambiente.

E como essas adaptações podem ser feitas no ambiente e na rotina? É o que vamos entender a partir de agora.

Portanto, continue lendo e saiba mais sobre o assunto.

Adaptações com um cachorro que perdeu a visão

Se você acabou de adotar um cãozinho cego, certamente planejou isso de maneira racional para oferecer o melhor ambiente possível ao dog.

No entanto, se o seu cãozinho ficou cego no “meio do caminho”, muitas dúvidas acabam surgindo e pode até bater um desespero. Afinal de contas, o cãozinho já não vai mais ter os mesmos estímulos visuais e a vida dele (e a sua) vai mudar.

Portanto, algumas adaptações importantes no ambiente devem ser feitas. Além disso, mudanças no comportamento do tutor também devem acontecer.

Veja algumas:

  • Não faça movimentos bruscos ao interagir.
  • Cuidado para não esbarrar no cachorro.
  • Não faça barulhos altos no ambiente.
  • Fale com o cachorro para ele perceber você.
  • Não seja imprevisível.
  • Faça passeios com guias curtas.
  • Deixe as pessoas saberem que seu cão é cego.
  • Não faça alterações nos móveis.
  • Estimule o olfato canino.
cachorro cego

Cão deitado no lençol – Foto: Freepik

Não faça movimentos bruscos ao interagir

Um cãozinho cego, agora, passa a ter referências olfativas e auditivas.

Ou seja, se ele perdeu 100% da visão, ele já não consegue mais se “guiar” pelo ambiente dessa maneira. E por isso, ele precisa se sentir seguro e confortável nos espaços para que a sua vida possa continuar tranquila.

Portanto, ao interagir com o dog, não faça movimentos bruscos ou não calculados. É muito importante fazer movimentos equilibrados e que possam ajudar o cão a perceber o que está por vir.

Os movimentos bruscos podem gerar muito desconforto auditivo e o cão fica “perdido” e com medo. Seja previsível.

Cuidado para não esbarrar no cachorro

Ao andar dentro de casa, estamos acostumados a simplesmente sair andando.

Afinal, se o cão estiver pela frente, ele geralmente vai dar espaço. No entanto, se você tem um cachorro cego, é preciso tomar muito mais cuidado com isso. Caso contrário, você pode esbarrar no cachorro sem querer e ele vai se assustar e até se machucar.

O que fazer, nesse caso?

Basicamente, olhar pra baixo e prestar mais atenção ao caminhar. Evite manusear panelas quentes sem olhar pra baixo e outras situações que possam gerar perigo ao dog. Ele percebe que você está por perto, mas não consegue ver.

tutora com seu cachorro

Tutora com seu cachorro – Foto: Freepik

Não faça barulhos altos no ambiente

Aqui, você terá que encontrar um equilíbrio entre não assustar o cachorro e mostrar que você está no ambiente para brincar com ele.

Ou seja, você precisa criar ruídos diferentes dentro de casa para ajudar o cão a se locomover e se guiar. No entanto, esses ruídos precisam ser dosados e em momentos oportunos.

Ou seja, você não pode fazer ruídos altos em situações aleatórias. Se o cão estiver deitado, dormindo ou descansando, não faça barulhos. Ele vai se assustar e ficar muito ansioso.

No entanto, se você quer estimular a percepção do cachorro cego, fazer ruídos estratégicos no ambiente pode ser uma boa ideia. Afinal, ele vai “seguir” o ruído e, portanto, conseguirá te encontrar.

Fale com o cachorro para ele perceber você

Um cachorro cego precisa de alguns estímulos extras para se sentir confortável e feliz.

Se antes apenas alguns gestos ou movimentos eram suficientes para despertar alegria no dog, agora, você precisa estimular ainda mais a audição. Portanto, fale com o cachorro. Elogie e crie brincadeiras auditivas.

Os ruídos planejados no ambiente ajudam bastante a criar uma percepção de ambiente. O cachorro se sente parte e isso acaba trazendo conforto. Principalmente quando você fala com ele, ele consegue se sentir ainda mais confortável e feliz.

tutora e seu cãozinho

Garotinha com cachorro – Foto: Freepik

Não seja imprevisível

Imprevisibilidade é muito ruim para todos os cachorros, não apenas para os cães cegos. Afinal de contas, os cães gostam (e precisam) de rotinas bem estabelecidas para se sentirem confortáveis física e mentalmente.

Portanto, não seja imprevisível. Não crie dispositivos que façam o cachorro sentir medo, ansiedade e estresse.

Por exemplo, não pegue o cachorro no colo do nada. Não interaja com ele de maneira abrupta. Evite abordar o animal por uma região sensível e por aí vai.

Cachorro cego: Faça passeios com guias curtas

Ao passear com o cachorro cego, você precisa criar limites para mantê-lo seguro.

E se você acha que um cão cego não pode passear, saiba que não é bem por aí. No início, você deverá ir aos poucos. Afinal, ele pode se assustar e ficar com medo, pois os estímulos visuais não estão ativos e os sons podem trazer desequilíbrio.

No entanto, com o tempo, o seu cãozinho poderá se adaptar muito bem aos passeios e você deverá fazê-los de modo adequado. A guia curta, nesse caso, é importante.

Assim, o cão se sente mais seguro e protegido, pois percebe que você (o seu cheiro e presença) estão perto deles. Além de que você mantém o cãozinho longe de potenciais problemas e acidentes.

Deixe as pessoas saberem que seu cão é cego

Vai receber visita em casa? Pois bem, é importante que seu cãozinho saiba socializar.

No entanto, é fundamental também que as visitas saibam que o seu cão é cego ou tem algum tipo de problema. Isso ajuda a deixar o ambiente mais calmo e tranquilo, sem estímulos ruins que podem prejudicar o cão.

Ao avisar para as pessoas que seu cão é cego, explique também quais são as melhores maneiras de interagir com ele.

Não faça alterações nos móveis

Se o seu cãozinho ficou cego em determinado momento da vida, é muito importante que a configuração da sua casa não mude. Ou seja, para seu cão não ficar muito ansioso e triste, os móveis e precisam ficar no mesmo lugar, sem alterações bruscas.

Afinal, o cão já sabe onde ficam os cômodos, os móveis têm o cheiro dele e os outros sentidos acabam colaborando para que ele se sinta seguro e confortável.

Cachorro cego: Estimule o olfato canino

E ainda, aprofunde os estímulos de olfato canino. Isso é muito importante para que o cão se sinta, de fato, um cão.

Faça ele encontrar um biscoito canino ou um brinquedo através do cheiro. É ótimo para que o cachorro continue com os outros sentidos saudáveis e assim se sinta menos “excluído”, já que ele não está enxergando as coisas.

cachorro sentado

Cão sentado – Foto: Freepik

Um cão cego tem muitas dificuldades?

Felizmente, não. No início, pode ser bastante complicado para o cãozinho, pois ele vai ter sensações diferentes – já que não pode enxergar. No entanto, com o tempo, o cãozinho pode se adaptar aos ambientes e convívio, desde que o tutor colabore para isso.

Você deve adaptar os ambientes com as dicas anteriores. Além disso, você precisa ter ainda mais paciência e dedicação com o pet. Assim, a força dos outros sentidos vai fazer a diferença e vocês podem viver felizes momentos juntos.

Felizmente, os sentidos de audição e principalmente olfato, ajudam o cão a se sair muito bem em uma deficiência ocular.

Cachorro cego: O que pode causar cegueira canina?

Existem inúmeras doenças que podem deixar o cão cego.

Por isso, você deve tomar cuidado para que o pet não contraia nenhuma delas. Ou, se contrair, um atendimento veterinário precoce precisa acontecer.

Estes problemas podem causar cegueira canina:

  • Doença do carrapato;
  • Glaucoma em cães;
  • Traumas na região ocular;
  • Catarata canina;
  • Degeneração da retina;

Lembre-se: um cãozinho cego pode se adaptar muito bem aos ambientes, desde que você colabore para isso. Cuide bem do seu dog!